Foi divulgado hoje (27) um vídeo de Lily Collins para a W Magazine onde ela fala um pouco sobre o estilo da segunda temporada de “Emily In Paris”, seu primeiro beijo e um talento estranho que ela possui. Confira legendado pela nossa equipe (em parceria com o lilycollins.com.br) abaixo:




As gravações da 2ª temporada de “Emily In Paris” já começaram em várias locações em Paris, França. Confira a matéria do Deadline traduzida:

Emily está voltando para Paris e St Tropez e outras locações em toda a França depois que Emily In Paris iniciou a produção na segunda temporada.

Isso ocorreu quando a Netflix revelou que a comédia estrelada por Lily Collins foi a série de comédia mais popular do streaming em 2020. A série foi assistida por 58 milhões de famílias nos primeiros 28 dias após seu lançamento em 2 de outubro.

Para colocar isso em contexto, Bridgerton foi assistido por 82 milhões de lares no mesmo período, The Witcher foi assistido por 76 milhões de lares e o drama francês Lupin marcou 70 milhões de lares.

A série, que foi originalmente criado na Paramount Network antes de mudar para a Netflix, foi renovada em novembro. A comédia romântica tem Collins como Emily, uma ambiciosa executiva de marketing de 20 e poucos anos de Chicago, que inesperadamente consegue seu emprego dos sonhos em Paris quando sua empresa adquire uma empresa francesa de marketing de luxo – e ela tem a tarefa de reformular sua estratégia de mídia social. A nova vida de Emily em Paris é repleta de aventuras inebriantes e desafios surpreendentes enquanto ela faz malabarismos para conquistar seus colegas de trabalho, fazer amigos e navegar por novos romances.

Ashley Park, Philippine Leroy Beaulieu, Lucas Bravo, Samuel Arnold, Camille Razat, Bruno Gouery, Kate Walsh, William Abadie e Arnaud Viard também estão presentes.

A série de meia hora foi criada, escrita e produzida por Darren Star. Tony Hernandez e Lilly Burns, da Jax Media, também são produtores executivos ao lado de Andrew Fleming. Collins produz. A MTV Entertainment Studios produz.

Lily Collins disse: “Como atriz, artista e criativa, o presente mais significativo é se conectar com as pessoas por meio de sua arte de alguma forma. É uma honra estar associada a um projeto que proporcionou às pessoas um alívio muito necessário durante um momento difícil, quando todos procuravam um motivo para sorrir e rir. Não só interpretar Emily me ensinou mais sobre mim, mas também sobre o mundo ao meu redor. Eu não poderia estar mais feliz por estar de volta a Paris para a segunda temporada para expandir essas lições, continuar a crescer e aprender ainda mais sobre esta bela cidade e todas as suas características com Emily.”

“Desde o início, sempre quisemos criar essa bela vista cinematográfica de Paris. O momento do lançamento da série foi fortuito para nós, já que todos ao redor do mundo puderam se tornar viajantes de poltrona e viver indiretamente por meio de nosso elenco. Não poderíamos estar mais orgulhosos e estamos ansiosos para trazer mais alegria aos nossos fãs ao iniciarmos a produção da segunda temporada”, acrescentou Darren Star.

Fonte: Deadline

 







O site Variety fez uma matéria de alguns indicados ao Globo de Ouro reagindo as suas indicações, Lily Collins foi uma delas. Confira abaixo:

No Globo de Ouro fazendo história ao nomear três diretoras:

“É incrível. Quer dizer, vamos lá, que maravilhoso, que lindo. Estou tão animada e acho que isso é muito importante. Quer dizer, quero dirigir um dia, e acho que as belas histórias que foram contadas neste ano devem ser reconhecidas. Quer dizer, qual é, três mulheres? Vamos lá!”

“Acho que todos nós já estivemos em casa ansiando por conteúdo, e poder ter filmes tão incríveis, alguns dos quais são menores, e provavelmente não seriam vistos por tantas pessoas, ter uma casa para serem exibidos é tão maravilhoso, e a Netflix tem sido incrível para mim ao longo dos anos. Estou muito honrada que “Emily” e “Mank” estejam na plataforma e sejam ambos reconhecidos hoje. ”

Fonte: Variety




As indicações ao Golden Globes foram divulgadas ontem (3) e Lily Collins conseguiu uma indicação na categoria de “Melhor atriz em série de comédia ou musical”.

Emily In Paris também conseguiu uma indicação a “Melhor série de comédia ou musical” e Mank recebeu 6 indicações, incluindo “Melhor filme de drama”.

Lily concedeu uma entrevista para o Deadline onde falou sobre a indicação e o retorno das gravações de “Emily In Paris”. Confira traduzido abaixo:

Com uma indicação ao Globo de Ouro por seu papel homônimo de Emily em Paris anunciada na manhã de quarta-feira, Lily Collins contou ao Deadline que está “honrada” por ser indicada e emocionada com a indicação do programa e pelas várias indicações para sua “família Mank” – filme de David Fincher em que ela estrelou ao lado de Gary Oldman.

A série Emily In Paris, da Netflix, foi o auge das maratonas no mundo contando a história da moça americana que se muda para a cidade luz. “Emily permite um senso de aventura”, disse Collins sobre a enorme fanbase do programa. “Existe a estética de você ser capaz de se perder em outro país… Esse senso de aventura, acho que todos desejamos mais do que nunca.

Na primeira temporada do programa criado por Darren Star, Emily se envolveu em um romance com seu vizinho Gabriel (Lucas Bravo) e fez amigos, incluindo a aspirante a cantora profissional Mindy (Ashley Park), então, como a série foi renovada para uma segunda temporada, o que o futuro pode reservar para Emily?

Romanticamente, o futuro de Emily com Gabriel parecia sombrio na última temporada, já que foi revelado que ele estava em um relacionamento com Camille (Camille Razat). “Não sei o que eles estão escrevendo agora”, disse Collins, “Mas acho que seria um pouco cedo para Emily se decidir. Acho que ela ainda está explorando as perspectivas. Honestamente, acho que Emily nem sabe [o que vai acontecer], e essa é a beleza da maneira como eles escrevem o programa. Ela ainda não encontrou todas as qualidades que talvez esteja procurando. Dito isso, existe aquela conexão com Gabriel, mas agora ela tem Camille naquele triângulo amoroso, então eu acho que ainda há experiências a serem vividas, aventuras a serem vividas e ela ainda está se encontrando.”

Caso contrário, podemos esperar mais diversão para Emily na arena da amizade. “Estou tão animada que Mindy foi morar com ela”, disse Collins. “Então, eu não posso esperar para ver o que a loucura acontecerá lá.”

Collins também está ansiosa para talvez aprofundar a história de sua personagem. “Na primeira temporada, tivemos apenas dez episódios para realmente explorar seus novos amigos no trabalho e quem ela conhece fora do trabalho, então estou animada para mergulhar mais fundo nessas histórias e passar mais tempo misturando os dois grupos de pessoas que ela conhece… Agora que a vimos com todos esses ‘parisiismos’, talvez possamos realmente obter um pouco mais de sua história e experimentar isso com alguns dos outros personagens. Mas você sempre sabe que com Emily você terá humor e terá aventura. Isso não vai faltar – e muita moda.”

Sobre quando a série começará a ser filmada novamente, Collins disse: “Esperamos voltar em breve. Espero que na primavera. Estamos tentando seguir em frente. Novamente, tudo está dependendo do Covid. Quando fomos renovados para a segunda temporada, isso nos deixou ainda mais animados e ansiosos para voltar. Claro que existem tantos regulamentos agora e queremos estar seguros, mas queremos voltar. ”

Fonte: Deadline




Foi divulgada ontem (9) uma nova entrevista da Lily Collins, dessa vez para a revista Content Mode, acompanhada de uma sessão de fotos. Confira a matéria traduzida abaixo:

“Arte é cura.” Lily Collins tem um histórico de priorizar a cura tanto na escrita quanto na atuação. Agora, enquanto o mundo todo luta junto, isso provou ser o que todos nós queríamos e precisávamos. Na esperança de escapar da realidade de 2020, as pessoas estão se voltando para seus serviços de streaming em busca de conforto e consolo. Se esta é você, você provavelmente já teve Lily Collins em sua tela pelo menos uma vez este ano. Collins, com uma longa lista de papéis icônicos, ela enriqueceu nossas telas várias vezes este ano: primeiro, permitindo-nos rir com seu papel como Emily em “Emily In Paris” e agora por ser o apoio de que todos precisamos, como Rita Alexander, em “Mank.” Ambos estão agora disponíveis na Netflix.

Allie King: Este ano foi agitado para todos, mas no geral parece que você teve um bom ano. Queria parabenizá-lo pelo seu recente noivado.

Lily Collins: Obrigada!

Allie King: Além disso, você teve muitos projetos grandes lançados este ano. Na minha leitura, todos estavam considerando você um nome familiar. Sou sua fã há anos, mas esse é um grande título e muitos novos espectadores estão começando a conhecê-la. Como você conseguiu equilibrar a pandemia com seu trabalho este ano?

Lily Collins: Obrigada. Isso é muito legal da sua parte e eu agradeço. Tem sido interessante. Em primeiro lugar, nunca estou em um só lugar por tanto tempo, então é uma verdadeira alegria ficar parada. Eu usei essa quarentena como um momento muito importante para autorreflexão, introspecção e educação. Quando somos privados de toda distração e somos deixados dentro de nossas paredes – as mesmas paredes por meses e meses – você é forçada a olhar para esses espelhos metafóricos.

Tenho dito que fazer essas reuniões e a imprensa em casa tem sido igualmente solitário – porque você não está interagindo com as pessoas que normalmente estaria, seja sua equipe, o entrevistador ou seus colegas de elenco – mesmo que seja meio invasivo – porque você está fazendo isso de sua casa. Não existe separação. Mas tem sido maravilhoso poder compartilhar tudo o que fizemos junto com as pessoas.

Estou muito grata por Emily ter atingido um momento em que as pessoas mais precisam rir e sorrir. Alguém me disse recentemente que isso os lembrava de como costumava ser divertido. E isso é uma declaração tão estranha em certo sentido. Ter que ser lembrado disso é uma coisa muito estranha. Mas fazer parte da lembrança de alguém é um grande presente. Então você tem Mank em cima disso, que tem uma nostalgia tão profunda à parte, em uma época em que tenho buscado e me apegado a tudo que parece história e o mundo que um dia conhecemos.

Allie King: Eu queria falar sobre seu relacionamento com a Netflix. Você sempre trabalhou com eles, muito antes de Mank. Parece que você tem um relacionamento muito bom com eles. Como tem sido sua experiência, sendo um dos que abraçou o serviço de streaming, voltando a To The Bone, antes que o streaming fosse tão popular quanto é agora?

Lily Collins: Sim, trabalhei com a Netflix de várias maneiras diferentes. O que eu amo é … To The Bone, que é um assunto que muitos outros lugares evitariam – O fato de eles terem visto o assunto e adquirido, provou-me que eles estão procurando esse tipo de filme para promover conversas sobre assuntos importantes e às vezes difíceis. Eu respeito profundamente isso. O mesmo para Extremely Wicked.

Eu adoro trabalhar com eles e acho que seu escopo de diferentes tipos de projetos é tão vasto, e eles não se intimidam com o assunto mais difícil. Eles também fornecem recursos para pessoas que assistem a coisas sobre saúde mental. Eles permitem que você assista a algo e então o orientam a partir daí, se você conhece alguém que precisa de ajuda ou se precisa de ajuda. Eu amo o acompanhamento disso.

Allie King: Voltando a To The Bone, prestes a ser um millennial e Gen Z, foi a primeira vez que me deparei com essa conversa específica. Então, eu me lembro disso muito vividamente. Muito do seu trabalho, incluindo Mank, conta histórias muito diferentes, mas importantes. É algo que você procura em um script? Como você escolhe os projetos nos quais deseja trabalhar?

Lily Collins: Bem, obrigada novamente. Aquele foi um daqueles momentos em que sua vida e sua arte podem coincidir de uma maneira que deveria ser. Ambas as experiências – escrever [Unfiltered: No Shame, No Regrets, Just Me.], Bem como trabalhar no filme – ajudaram a melhorar um ao outro, em termos de criatividade. Isso me ajudou a melhorar e a me curar.

Eu estava pensando sobre a reação a Emily. Fiquei impressionada com o pensamento de que a arte cura. O que quero continuar fazendo é contar histórias na frente ou atrás das câmeras. Emily foi a primeira experiência que tive na produção. Sempre quis produzir mais e escrever. Talvez um dia dirigir. Portanto, esteja eu em frente ou atrás da câmera, eu quero contar histórias que, de alguma forma, proporcionem uma sensação de cura e conexão com as pessoas.

Então você olha para algo como Emily In Paris, que fez as pessoas rirem e sorrirem em uma época em que era muito difícil rir e sorrir. Isso é curativo em si mesmo. Mank é esse tipo de nostalgia que todos nós desejamos mergulhar. Quero continuar buscando personagens e histórias que permitam uma sensação de crescimento, seja para um membro do público ou para mim. E permita que eu ou um membro da audiência nos curemos de uma forma que talvez você não esperava. Acho que a cura é a razão pela qual todos nós nos conectamos por meio da arte: seja música, arte criativa física ou atuação.

Allie King: Claro! Além disso, vocês foram renovados para a 2ª temporada de Emily In Paris. Parabéns! O que você mais espera?

Lily Collins: Terminamos a primeira temporada com Mindy e Emily morando juntas, então Deus sabe que caos e aventuras acontecerão ao convidá-la para morar naquele complexo de apartamentos, com a vida acontecendo no andar de baixo e em nosso apartamento. Estou animada para conhecer melhor a Savior e misturar os dois mundos. Eu acho que pode haver muitos momentos hilários que resultam disso. Agora que Emily não é local – e não está se acostumada com o choque de estar lá – acho que há mais profundidade para aprofundar. E levando para muita comédia.

Allie King: Voltando ao Mank… É diferente de qualquer filme que eu tenha visto recentemente. Eu não esperava que fosse o estilo que foi quando o coloquei pra tocar. Eu gostei. Como foi no set, abraçando a vibração da Velha Hollywood? Que tipo de mentalidade e preparação foram necessários para a criação deste filme?

Lily Collins: Bem, eu amo a Velha Hollywood. Eu amo um drama de época. Eu amo tudo em preto e branco. Eu acho isso tão romântico, lindo e histórico. Eu meio que estava fazendo – no começo – as duas coisas ao mesmo tempo: Emily e Mank. Tive que voltar de Paris duas vezes, por 24 horas, para Los Angeles. Então, eu estava saindo deste mundo brilhante e ousado de Emily, para um mundo mais estoico, ainda, poderoso e preto e branco para Rita. Foi estranho no começo ficar indo e voltando. Mas, honestamente, qualquer mundo que Fincher criar, é um mundo no qual eu seria boba se não mergulhasse.

Trabalhar com ele, assim como com Gary… É um sonho. Gary – por mais impressionante que seja um ser humano – é um ator tão contagiante e incrível. Então, estou sentada em frente a ele nessas cenas e houve momentos em que tive que me lembrar de responder porque estava tão imersa em assistir Gary. Ele é um grande contador de histórias. Havia alguns dias em que ele vinha trabalhar, mas não ficava na frente das câmeras por muito tempo, senão o dia todo. Mas ele viria, estaria com o figurino e estaria 100% presente para você do outro lado da câmera. Como ator, saber que você vai ter esse apoio do seu colega, mesmo quando ele não está na tela… Parece algo que seria normal para um ator, mas nem sempre é o caso.

E você sabe, com preto e branco, é como um universo alternativo que você está criando. Quer dizer, eu nunca tinha filmado assim antes, então foi muito divertido.

Allie King: Isso meio que transpareceu enquanto eu assistia: a relação entre todos os seus personagens e a química que todos vocês tinham. Foi tão impressionante vê-lo voltar ao estilo da Velha Hollywood. Além disso, Citizen Kane é sem dúvida o melhor filme de todos os tempos. Isso infligiu alguma pressão sobre o elenco durante a filmagem do filme?

Lily Collins: Acho que não. Eu senti que sabia muito sobre a história, e então percebi que não sabia nada sobre essa história específica. Eu nem sabia quem era Mank. Eu interpretei uma mulher real, Rita. Mas há muito pouco conhecimento sobre Rita, então tive que confiar no que pude encontrar ou ver nas fotos – e então ter a mesma imaginação de como uma mulher daquela época seria na Inglaterra e na América. Citizen Kane ajudou a fornecer contexto a esse respeito. Mas eu acho que por ser uma história por trás da história, isso proporcionou um pouco menos de estresse. Porque você está criando uma parte da história que as pessoas não conhecem.

Allie King: Qual foi sua parte favorita em interpretar a Rita? O que atraiu você para o papel dela no roteiro?

Lily Collins: Eu amo o relacionamento entre Rita e Mank. Admiro o fato de ser um relacionamento que não se baseia em romance. É realmente uma camaradagem que eles têm baseado no respeito e na admiração. Ela se preocupa tanto e acredita em Mank que se sentiu com poder para usar sua voz em um momento que eu não acho que muitas mulheres nessa posição teriam feito. Ela o responsabiliza por suas ações de uma forma que foi única para ela e ajudou em sua jornada e recuperação. Se Rita não estivesse lá para ajudá-lo com isso, eu não sei se ele teria realmente terminado daquela maneira. E ele deu a ela um senso de camaradagem, amizade e força em um momento que ela estava com medo de perder o marido para sempre.

Também adorei que, em Rita, tem essa linha tênue entre ser uma profissional muito estoica – que foi contratada para um emprego e não quer mostrar nenhum espanto ou fofoca daquele mundo – e ao mesmo tempo ser uma jovem que também deseja desesperadamente saber o que está acontecendo.

Allie King: Quando eu estava assistindo, notei como o relacionamento de Mank e Rita era meu favorito no filme porque era tão inesperado. Acho que todos vocês fizeram um trabalho incrível com isso. Qual foi a parte mais difícil de interpretar Rita?

Lily Collins: Eu acho que parte do que foi tão divertido, é ela ter aquele equilíbrio entre ser profissional e ficar intrigada com o que estava acontecendo. Além disso, Mank é um humano tão complicado. Ele tem suas inseguranças, sombras e vícios. Eu não queria que Rita parecesse condescendente, desdenhosa ou excessivamente dura. Para mim, Rita foi uma oportunidade de ajudar Mank e fornecer uma bússola moral e luz para seu enredo, mas também permitir que ele descobrisse o que precisava fazer.

Allie King: O lançamento de Mank na Netflix deve apresentar a alguns espectadores mais jovens a história de Orson Welles, Mank e Citizen Kane. O que você espera que as pessoas tirem desse filme ou da história de vida de Mank?

Lily Collins: Bem, a beleza dos filmes antigos – quer dizer, a nostalgia que um filme em preto e branco pode trazer. Fui criada em uma família que apreciava a Velha Hollywood. Nem tudo é brilho e glamour de forma alguma. Foi político e social. Havia muitas coisas acontecendo que eu não percebi na época, que se infiltraram no sistema de estúdio, nos filmes e naquela época política. Mas apenas para torná-lo digerível e não estranho.

Algumas pessoas com quem conversei, da geração mais jovem, simplesmente pensam nisso como algo que seus pais gostariam. Eles simplesmente não estão interessados. Então, para a Netflix – o centro onde tantas pessoas vão para se divertir e se educar – ter um filme como este, é trazer os atores de hoje e colocá-los neste mundo que parece ter passado de um tempo, subconscientemente é uma forma de conectar os dois mundos. Ver pessoas que eles reconhecem de programas ou filmes modernos neste mundo é uma prova extra de que os mundos colidem. É por isso e como podemos aprender com o antigo. Acho que é muito importante compartilhar essa era com as pessoas, porque parece que elas não a conhecem mais tão bem.

Allie King: Eu concordo. No momento, parece uma pausa em nossa cultura, com menos filmes saindo. Espero que este filme – agora que todos nós temos tempo – inspire as pessoas a voltar e se educar e assistir a filmes antigos.

Lily Collins: Eu adoraria isso. É interessante porque às vezes o preto e o branco podem desligar alguém porque eles estão acostumados com cores. Considerando que é uma experiência interessante assistir em preto e branco. Você não está se distraindo com a cor. Na verdade, você está observando mais detalhes na atuação, o que está acontecendo, os cenários ou os tons de tudo. Há uma riqueza no que você está assistindo que é mais perceptível porque você não está vendo cores.

Quando eu assisti, fui atraída para o fundo das fotos, analisando mais as coisas. Não é como se você estivesse julgando alguém pelo que está vestindo. Você está olhando para eles, ouvindo e prestando atenção ao que está acontecendo. Eu acho que é uma coisa realmente interessante para as pessoas que não são tão atraídas pelo preto e branco porque simplesmente pensam que é antigo. É uma nova maneira de assistir a algo.

Allie King: O que você vai tirar do trabalho com David Fincher e Gary Oldman neste projeto para o resto do seu trabalho daqui para frente?

Lily Collins: Há muito a ser dito na quietude. Com David Fincher, você sabe que terá o dom do tempo. Você será capaz de fazer quantas vezes for preciso para acertar. Quando você está cercado por pessoas incríveis – seja o diretor ou os membros do elenco – e eles estão lhe dando algo novo a cada tomada, você tem que estar acordada e no momento de reagir.

Esta foi uma oportunidade tão incrível para mim estar tão presente no momento que às vezes esquecia o que tinha feito quando ele gritava corta. Era quase como meditação, porque quando você está meditando, você está em um lugar de onde você sai e é como ‘Uau, onde eu estava? Onde eu estive?’ E você tem esse elemento de quietude e calma. Para mim, trabalhar com pessoas que me permitem sentir que não há problema em desaparecer diz muito. Quando você está tão presente no momento e não está preocupado com nada mais que esteja acontecendo, existe um elemento de perscrutar o que você está fazendo que é quase como meditar.

Sei que é raro sentir sempre isso, e não estou dizendo que sempre sentirei isso. Mas [eu gostaria] de manter o que parecia e tentar seguir em frente. Você nem sempre trabalhará com gênios como Gary e David, mas certamente pode colocar isso como um objetivo.

Allie King: Eu acho o filme deslumbrante. Eu me sinto mimada por ter conseguido ver isso antes. Então, obrigado por isso. Como você planeja comemorar o lançamento no dia 4 de dezembro?

Lily Collins: Não tenho ideia. Tem sido um momento incrível para manter contato com amigos e familiares, com o FaceTime, caminhadas à distância e ligações. Agradeço a conexão que tenho com as pessoas da minha vida e que, para mim, é para ser mais comemorado do que ir a um restaurante. Sinto falta de sair para jantar? Claro que sim. Mas acho que, no fundo, é o fato de as pessoas mostrarem seu apoio que senti tão fortemente durante esse tempo. Sinto que fui capaz de celebrar isso e meus amigos de novas maneiras. Por enquanto, estou muito grata por poder compartilhar algo com as pessoas que espero que ressoe e faça com que se sintam conectadas de alguma forma.

Perguntas Rápidas

Allie King: Você conseguiu pegar alguma coisa do set de Emily In Paris?

Lily Collins: Recebi algumas peças de roupa de Emily In Paris. Havia uma bolsa peluda com a qual eu brincava dizendo que era como ter um animal no set porque parecia um cachorro na minha cadeira. Pude ficar com ela. Stéphane Rolland – que desenhou o vestido orquídea branco que ficou com respingos de tinta – me enviou o vestido original, que achei tão inesperado e tão bonito. Então agora eu tenho o vestido de orquídea de Emily.

Allie King: Novo hábito ou habilidade aprendida na quarentena?

Lily Collins: Meu noivo me ensinou a surfar, o que foi legal. De forma alguma sou incrível, mas é uma coisa muito divertida de fazermos juntos. E é bastante calmante entrar na água agora e se deixar levar.

Allie King: Qual é o seu pedido de comida de sempre?

Lily Collins: Sushi. Eu adoro sushi e é algo que não posso fazer em casa, então preciso pedir.

Allie King: Maratona de TV mais recente?

Lily Collins: The Crown. Eu adoro desde o começo. Isso me faz sentir em casa porque é a Inglaterra. O valor da produção é tão bonito.

Allie King: Tradição favorita de inverno ou época de festas?

Lily Collins: Eu geralmente vou para a Inglaterra, mas isso não vai acontecer este ano por razões óbvias. Muitas tradições foram suspensas este ano. Acho que se trata mais de ficar aconchegante, acender o fogo e beber chá quente. Eu sou tão sazonal. Ir para a Inglaterra é o que eu adoraria, mas como não vai rolar, acho que novas tradições serão criadas com meu noivo, com base no que está acontecendo no mundo.

Allie King: O que você está esperando no ano novo?

Lily Collins: Muito! [Risos] Estou animada com a presidência Biden-Harris. Estou animada pela 2ª temporada de Emily In Paris. Espero começar a viajar novamente. Estou animada para me casar em algum momento. Ver amigos e família e abraçar as pessoas novamente.

Fonte: Content Mode

Confira as fotos da sessão fotográfica em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2020 > CONTENTS

LCBR-001.jpg LCBR-002.png LCBR-001.jpg

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2020 > CONTENTS

LCBR-004.jpg LCBR-010.jpg LCBR-030.jpg

 




Foi divulgada hoje (7) uma nova entrevista da Lily Collins para a revista InStyle acompanhada de uma sessão de fotos maravilhosa. Confira a matéria traduzida abaixo:

Essa história, como muitas que se passam no sonho de estresse sem fim que é 2020, começa com dificuldades técnicas.

“Eu deveria estar melhor a esse ponto,” Lily Collins me disse quando finalmente conseguimos nos conectar pelo Zoom. “Eu ainda me vejo tropeçando”, diz ela, referindo-se à mecânica de nosso novo normal: entrevistas virtuais e sessões de fotos do FaceTime, um vernáculo outrora estranho que inclui configurações de ring lights e códigos de sala de reunião.

Apesar da curva de aprendizado em casa, o conforto de Collins com a comunicação (em qualquer forma) é claro. Aparecendo na tela em um suéter rosa claro com recortes nos ombros, seus longos cabelos castanhos repartidos ao meio e fluindo sobre o peito (como o tutorial do YouTube diz que deveria – mas nunca faz), ela parece estar à vontade, ansiosa.

Parece que uma claquete foi fechada, “ação!” chamada na primeira tomada do dia. A energia de Collins é alta e suas respostas abundantes – palavras derramando em uma corrida contra o relógio de 60 minutos que é a nossa conversa. Claro, esta não é a primeira tomada do dia – minutos antes de nossa entrevista, Collins estava terminando outra, e poucas horas depois ela estava jogando uma partida de tênis falso na quadra de sua mãe para nossa sessão de fotos. Então veio a estreia virtual de seu novo filme da Netflix, Mank. Mesmo neste estado de quarentena, a ação nunca para.

Nas raras ocasiões em que conseguiu desacelerar, ela dedicou seu tempo à autorreflexão, já que esse período marca o período mais longo da vida adulta de 31 anos que ela passou em casa, temporariamente liberada da agitação de turnês internacionais de imprensa e sessões de fotos em locação.

Ainda assim, a ansiedade se alastrou nos últimos nove meses, afetando Collins mais profundamente do que nunca. E embora as demandas de sua carreira tenham tornado a comunicação à distância com amigos e família algo normal, ainda é difícil conciliar a socialização por meio de uma tela com alguém que mora a uma curta distância de sua casa em Los Angeles.

“Há tanta tristeza nisso”, ela admite, suas expressões faciais e o levantamento de sobrancelhas ditando sua resposta tanto quanto suas palavras. “Seria ótimo poder utilizar esse tempo [agora] que temos, para ver amigos, para ver a família, para ter essas experiências e aventuras incríveis juntos. No entanto, obviamente não é isso.”

No papel, essas são as respostas praticadas de uma atriz cujo treinamento de mídia começou antes que ela pudesse votar. Mas depois de ler as memórias de Collins de 2017, Unfiltered, sua paixão por se conectar com os outros e transmitir as lições que ela aprendeu presentes em cada página, parece-me que esses sentimentos, embora óbvios, são apenas intrinsecamente Lily. Respostas de uma palavra não são seu estilo – meditações de cinco parágrafos reveladores, sim.

Somando-se à tristeza de um ano passado em casa, Collins tem muito o que comemorar atualmente. Uma semana antes do lançamento da comédia de grande sucesso Darren Star da Netflix, Emily In Paris, Collins anunciou que ela e seu namorado diretor Charlie McDowell estavam noivos.

“Muitos de nossos amigos e familiares [estavam] tipo,‘ Obrigado por nos dar algo pelo que ansiar’”. A futura sogra Mary Steenburgen, por exemplo, está “nas nuvens”.

“Acho que os últimos meses foram tão nublados em trevas e negatividade”, continua Collins, “e qualquer coisa positiva e cheia de esperança e luz é algo a que queremos nos agarrar”.

Collins, uma autoproclamada otimista, não está permitindo que as restrições da pandemia diminuam a empolgação dela e de McDowell. “Estamos celebrando juntos”, ela me diz com naturalidade, como se a resposta fosse óbvia (o que suponho que seja). “O mais importante é que estamos muito animados. Não precisamos ter nada para comemorar o quanto estamos animados. Você ainda pode compartilhar a emoção, é apenas de uma maneira diferente.”

Como milhões de americanos, Collins e McDowell estavam absorvendo o coquetel de ansiedade e empolgação induzida pela eleição que nos deixou em um estado quase zumbi, prisioneiros de nossas telas por quase cinco dias seguidos enquanto esperávamos a palavra final de nossos âncoras de notícias.

“Fiquei tão fascinada e não consegui desligar”, diz ela sobre a cobertura eleitoral. “Eu nunca esquecerei isso.”

Em 7 de novembro, quando Joe Biden foi declarado presidente eleito dos EUA, Collins postou fotos dela e de McDowell, vestindo calça de moletom e posando diante da televisão, os braços erguidos em comemoração enquanto a CNN anunciava a vitória na tela.

Antes de Collins se tornar uma atriz estabelecida, ela era uma jornalista adolescente. Em 2008, ela trabalhou na campanha Kids Pick the President da Nickelodeon e até mesmo cobriu a posse do presidente Barack Obama no ano seguinte. Mas, apesar de seu envolvimento inicial na política, não era uma área que ela tivesse muito conhecimento.

“Não era algo que eu realmente me sentisse confortável para falar, porque eu simplesmente não era tão educada nisso”, diz ela. “Não parecia certo falar sobre algo que eu não sabia muito sobre.”

Isso mudou quando ela conheceu McDowell, cuja paixão pelo assunto a inspirou.

“[Ele] me ensinou muito”, ela me diz. “Tem sido tão incrível e ampliou muito a minha mente por estar aberta para me educar e ter um parceiro que apoia tanto isso.”

“É muito positivo crescer dessa forma, devo dizer. E não ter medo de vocalizar isso nas redes sociais e realmente usar essa plataforma de uma forma que eu não tinha antes.”

Permanecendo na marca com foco na positividade e Emily ao estilo parisiense, Collins encorajou seus seguidores a votarem. “Casais que votam juntos ficam juntos”, ela legenda uma imagem dela e de McDowell segurando suas cédulas, ambos usando um tom esteticamente agradável de bege. “Você nunca é jovem demais para começar a se envolver, educar-se e usar sua plataforma”, ela aconselhou seus fãs adolescentes durante o verão, postando uma foto de retrocesso dela mesma relatando a Convenção Nacional Democrata de 2008.

E com o segundo turno das eleições para o Senado da Geórgia se aproximando, ela diz que seu ativismo político ainda está “muito vivo”.

Fileiras de câmeras vintage cintilantes ficam atrás de Collins, uma exibição que instantaneamente me lembra da obcecada por estética Emily Cooper, a millenial no exterior que a atriz trouxe à vida em Emily In Paris.

A série, que depende muito de seu cenário parisiense, é a definição de escapismo, agravado, é claro, pelo fato de que nós (com exceção do jet-set da ilha particular) realmente não podemos escapar.

Se Emily vivesse em nossos tempos de pandemia, Collins imagina que ela teria algo inovador. “Ela é tão criativa e engenhosa que provavelmente teria criado algum tipo de empresa”, diz ela. “Eu acredito que ela surgisse com alguma startup maluca, mas então ela volta para o escritório e é como se ela tivesse esse produto que agora está espalhado por toda parte.” Mon dieu!

Emily In Paris foi recentemente renovada para uma segunda temporada (uma recompensa indescritível da era Netflix da quarentena) e, no futuro, há mudanças a serem feitas.

“Acho que há uma grande oportunidade de incluir mais diversidade na série – nos bastidores, na frente das câmeras – e há conversas que estamos tendo sobre isso”, diz Collins, pensativa. A amiga de Emily, Mindy (Ashley Park) e o colega Julien (Samuel Arnold) estão entre os poucos membros não brancos do elenco. “A inclusão é algo que é realmente importante para mim e depois de tudo o que aconteceu nos últimos meses, ela foi iluminada para mim de muitas maneiras de como podemos melhorar globalmente.”

A série foi sujeita a críticas, com pessimistas criticando tudo, desde a adoção da série de estereótipos franceses até a caracterização da própria Emily envolta em privilégios.

Collins se orgulha de ser uma boa ouvinte – embora eu possa garantir que ela também é muito boa na parte falante. Mas há uma diferença entre ser ativa e reacionária, ela me diz (duas vezes, na verdade), e como produtora estreante ela está encontrando esse equilíbrio.

“As pessoas sempre encontrarão o que há de bom e de ruim em qualquer coisa, e como temos a capacidade de fazer a segunda temporada, você não pode levar tudo em consideração”, diz ela, observando que com apenas 10 episódios com menos de 30 minutos cada, eles não foram capazes de explorar todos os tópicos que esperavam cobrir na primeira temporada. “Nem sempre vai agradar a todos”.

E embora não seja seu trabalho fazer de Emily algo que ela não é, ela vê valor em “brincar” com mudanças. “Se ainda não funcionar, pelo menos você pode dizer que tentou.”

Sua capacidade de confrontar as críticas com tal eloquência foi aprimorada em uma idade precoce, enquanto ela observava seu pai, o músico Phil Collins, navegar em uma indústria que exige um alto nível de exposição – e, com ela, uma abundância de negatividade externa.

“É preciso muita bravura para ser vulnerável como artista e se colocar lá fora e levar sua paixão para as pessoas ao redor do mundo – ver meu pai fazer isso, eu sempre admirei muito isso”, diz ela.

Mas essa vulnerabilidade tem um preço, como qualquer pessoa com 22 milhões de seguidores no Instagram (e contando) pode e irá lhe dizer. Ela sabe que não deve ler os comentários – isso é “How to Be a Celebrity 101” – mas o conhecimento de primeira mão de Collins do que significa dar uma parte de si mesma ao público é provavelmente mais nuançado do que a maioria.

“Tão aplaudido quanto você pode ser, você também pode ser derrubado”, diz ela, um olhar distante nublando seu rosto enquanto ela continua. “Eu admiro qualquer pessoa que consegue ficar centrada nessa experiência.”

Collins raramente fica sem palavras, mas quando ocasionalmente dá um tempo para responder, bebendo de um canudinho em um pote de conserva, a resposta geralmente já está escrita em seus traços de Audrey Hepburn. Imagino esse comportamento se traduzindo no set: olhos acesos, mãos em movimento, internalizando tanto quanto externalizando.

Por mais veementes que sejam os críticos de Emily In Paris, os fãs são igualmente zelosos. Emily se tornou uma fantasia popular de Halloween apenas algumas semanas após a série ser lançada. E Collins, experimentando o sucesso da série em casa, ficou “maravilhada” com o apoio.

A pandemia a forçou a pular o típico dilúvio de eventos no tapete vermelho e viagens rápidas ao exterior. Em vez disso, Collins ficou com uma experiência que parecia mais genuína.

“Não é um passeio louco que você está fazendo”, diz ela. “Você está na verdade em sua casa, na verdade, com sua pessoa, tendo a realidade de lavar pratos, levar o lixo para fora… e enquanto todas essas coisas que você faz em sua vida diária estão acontecendo, também ouvir como algo que você criou com as pessoas, está fazendo e está atingindo o zeitgeist… é apenas uma maneira realmente humilde e fundamentada de vivenciar isso.”

Ela está no meio de sua segunda grande turnê de imprensa virtual com outro projeto da Netflix, Mank, de David Fincher. O filme, ambientado inteiramente em preto e branco para imitar o estilo dos filmes da época, segue o roteirista Herman Mankiewicz (Gary Oldman) de Citizen Kane enquanto ele luta para escrever o que agora é considerado um dos maiores filmes de todos os tempos. Collins interpreta Rita Alexander, a estenógrafa de Mank e, cada vez mais, sua confidente.

Collins sentia-se bem versada nas armadilhas da velha Hollywood, em parte graças à sua infância. “Eu me sinto sortuda por ter crescido em uma família que abraçou e encorajou filmes antigos, velhos comediantes, velhos atores e atrizes de Hollywood”, ela me diz. Eu imagino uma jovem Collins enrolada em um sofá de veludo em uma sala cheia de memorabilia de filmes antigos, rindo para si mesma enquanto uma comédia dos Três Patetas passa em um projetor acima.

“Muitas pessoas desta próxima geração podem nem ter ouvido falar de Citizen Kane. Algumas pessoas nem sabem quem é Audrey Hepburn. E para mim, eu cresci em uma casa onde havia muita ênfase e entusiasmo no passado e na velha Hollywood. Isso foi muito prevalente na minha infância. ”

As glamourosas primeiras décadas da indústria cinematográfica também se mostraram difundidas no trabalho de Collins, primeiro com a adaptação em série do set de 1930, The Last Tycoon, e depois com o romance inspirado em Howard Hughes, de Warren Beatty, Rules Don’t Apply.

“Eu me senti como, ‘Oh, eu sei muito sobre este período.’ E então eu li o roteiro [de Mank] e disse, ‘Não sei muito sobre este período. Na verdade, há toda uma outra camada nisso que eu não sabia’”, diz ela sobre a história por trás da criação de Cidadão Kane.

O papel de Collins não é grande, mas é vital. Rita é um contraponto à ingênua típica dos anos 30 – ela é franca, segura e, como a própria Collins, sempre disposta a ver o melhor nos outros.

“Ela realmente responsabiliza [Mank] de maneiras bastante ousadas, porque ela pode ser demitida”, Collins me diz. “Ela usa a voz e se expressa para o Mank, porque vê o potencial dele. Ela realmente acredita no melhor dele e deseja que ele tenha sucesso. Eu sou alguém que vai continuar me dando para o aperfeiçoamento de alguém, porque se eu acreditar neles e ver esse potencial, sempre vou querer animá-los e enraizá-los. E eu sinto que essa é a essência de Rita.”

É quase chocante ver Collins como Rita, uma temática 180 graus da efervescente americana em Paris. Mas como alguém que rasgou a filmografia de Collins em questão de semanas, derramando lágrimas como uma frágil Fantine lutou para vocalizar suas palavras finais na minissérie Les Misérables da BBC, cerrando meus punhos enquanto Liz Kendall confrontava seu namorado de longa data Ted Bundy na prisão, implorando a ele para admitir seus crimes em Extremely Wicked, Shockingly Evil And Vile, posso atestar que Collins nunca foi apenas uma coisa.

Mas ela não está fazendo o trabalho que faz para a minha avaliação ou a sua.

Os críticos que se danem, Collins acredita na importância de se orgulhar do que você faz e nas armadilhas de escolher projetos, como em The Bachelor, pelos “motivos errados”. Se existe algum limite entre Collins, Emily e Rita, a abordagem “ouça seu coração” certamente é essa.

Fonte: InStyle

Confira as fotos da sessão fotográfica na nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

 ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2020 > INSTYLE

LCBR-001.JPG LCBR-004.jpg LCBR-006.jpg

Lily também fez um vídeo respondendo algumas perguntas de fãs, assista no player abaixo (em breve legendado):




Lily Collins concedeu uma entrevista para a Vogue para promover seu novo filme “Mank” e falar do sucesso de “Emily In Paris“. Confira a entrevista traduzida abaixo:

Este foi o ano de Lily Collins. Quando eu encontrei a atriz de 31 anos no Zoom, falando de sua casa em Los Angeles, ela estava com o rosto fresco e otimista, com seus cabelos em cachos perfeitos e vestindo um moletom Biden-Harris cor de biscoito. “Eu durmo com isso”, ela me diz mais tarde com um sorriso, embora o recente resultado da eleição presidencial dos EUA não seja a única razão que ela tem para comemorar.

Em setembro, ela ficou noiva de seu namorado, o diretor-escritor Charlie McDowell. Uma semana depois, Emily em Paris chegou na Netflix. Criado por Darren Star de Sex and the City e estrelado por Collins como a executiva de marketing do meio-oeste que se mudou para a capital francesa, o programa se tornou um fenômeno cultural. Mas, não é o único projeto que Collins lançou na gigante do streaming este ano. A seguir, ela aparecerá em Mank de David Fincher, um tributo brilhante à velha Hollywood.

Nascida no Reino Unido e parcialmente criada na Califórnia, a filha do músico Phil Collins e da atriz Jill Tavelman sempre foi ambiciosa. Quando adolescente, ela escreveu artigos para a Teen Vogue e em 2008 cobriu a eleição presidencial dos Estados Unidos como anfitriã no programa Kids Pick the President da Nickelodeon. Ela passou a estudar jornalismo na University of Southern California, mas atuou também, juntando-se aos elencos de The Blind Side (2009), Mirror Mirror (2012) e Rules Don Don’t Apply (2016). Este último deu a Collins uma indicação ao Globo de Ouro em 2017 e mais papéis de alto perfil seguiram-se, no drama angustiante sobre anorexia To the Bone (2017), o aclamado pela crítica Okja (2017), a adaptação da BBC de Les Misérables (2018) e o crime thriller Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile (2019).

Mank, no entanto, está acima dos demais. Situado em 1940 e filmado em preto e branco luminoso, ele conta a história semificcional do roteirista Herman J. Mankiewicz enquanto ele luta para escrever um dos maiores filmes de todos os tempos: Citizen Kane (1941). Conhecido como “Mank” por seus amigos e feito com prazer por Gary Oldman, ele é um jogador e bebedor pesado que tem uma última chance de se redimir.

Em flashbacks, Mank lembra de desentendimentos com a estrela Marion Davies (Amanda Seyfried) e seu amante poderoso, o magnata da mídia William Randolph Hearst (Charles Dance) – ambos inspiraram o roteiro – mas é sua estenógrafa britânica, Rita Alexander (Collins), de cuja ajuda conta para continuar trabalhando. Escondidos em um rancho no deserto californiano, os dois se tornam amigos enquanto Mank dita sua obra-prima para Rita. O resultado é um épico de desmaio que toca o coração de David Fincher, pois seu roteiro afiado foi escrito por seu próprio pai, Jack Fincher, antes de sua morte em 2003.

Antes do lançamento de Mank em 4 de dezembro, Collins compartilha como ela entrou na personagem, o que a fez passar pelo bloqueio e por que ela conheceu o co-astro Gary Oldman aos dois anos de idade.

Mank é um projeto tão apaixonado por David Fincher. Como você se envolveu pela primeira vez?
“Eu ouvi falar sobre algumas semanas antes de partir para Paris [para filmar Emily em Paris]. David é alguém com quem nunca pensei que teria a chance de trabalhar. Enviei uma fita pouco antes de sair e, depois de algumas semanas de trabalho em Paris, fiz o teste. Quando descobri que tinha conseguido, fiquei muito confusa [risos]. Eu pensei: ‘Isso é tão estranho. Nem tudo pode funcionar assim! ‘Depois disso, eu tive que voar de volta para LA para os ajustes e ensaios, mas eu estava filmando Emily – estou em todas as cenas e não tenho dias de folga. Então, voei de volta duas vezes por 24 horas. Eu voei em um sábado de manhã depois de uma filmagem noturna em Paris, aterrissei na manhã de sábado em Los Angeles, fui para os ensaios, ou uma prova de roupa, ou um teste de câmera, voei de volta, fui para a cama e acordei às 5 da manhã para ser Emily novamente. Aconteceu muito rápido e eu não conseguia parar e pensar sobre isso porque o resultado final seria que eu poderia trabalhar em ambos, um após o outro.”

Foi confuso terminar Emily em Paris e ir direto para Mank?
“Quando voei de volta para Paris pela segunda vez [de LA], eles estavam apenas começando a filmar Mank. Foi antes de eu terminar Emily, mas minha parte não começou até eu voltar. Eu tive duas semanas depois disso, antes de ir. Mas, não foi tão difícil porque Emily e Rita são pólos opostos. Emily não é apenas brilhante, ousada e um pouco óbvia em termos de personalidade, mas ela também está em um mundo brilhante, ousado e óbvio, enquanto Rita está em um mundo preto e branco. Ela é mais difícil de ler, mais sensata, mais equilibrada em certo sentido e britânica. Então, eu poderia me desassociar assim que entrasse em um avião.”

O que David queria que a personagem Rita representasse?
“Rita é, claro, uma pessoa real, mas há poucas informações a serem encontradas sobre ela, além do fato de que ela é uma estenógrafa da Inglaterra e seu marido estava na guerra. Acho que vi duas fotos dela. Então, em termos de criação de sua persona, era sobre o que ela representa para o personagem de Gary [Oldman], porque ele fica mais vulnerável quando está com ela. Eles são confidentes um do outro. Para uma mulher daquela época e naquela posição, Rita era muito ousada. Ela acreditava que Mank era capaz de mais do que ele mesmo, e ela o lembraria do que ele prometeu fazer. Ele precisava daquele chute extra às vezes. David queria que Rita tivesse um senso inato de bondade. Eu amei o fato de não haver um romance entre ela e Mank – é uma amizade profunda que nenhum deles esperava.”

Como você trabalhou com Gary Oldman para construir essa relação familiar entre Rita e Mank?
“Na verdade, conheci Gary quando tinha cerca de dois anos no set de Drácula de Bram Stoker [1992]. Meu pai estava em Hook [1991] e aqueles dois filmes estavam sendo rodados no mesmo lote em Los Angeles. Então, anos depois, na MET Gala Heavenly Bodies [em 2018], eu estava no estacionamento e vi Gary e sua esposa Gisele [Schmidt]. Eu disse a ele o quanto o admirava. Quem poderia imaginar que, anos depois, eu interpretaria essa personagem que tanto admira seu personagem? Em Mank, nós ríamos e brincávamos entre as tomadas e então quando eles diziam ‘ação’, ele simplesmente voltava a ser Mank. Eu teria que me beliscar às vezes porque eu esquecia que tinha que responder. Ele foi incrível.”

Como esses trajes de época intrincados o ajudaram a entrar na personagem?
“Rita não é uma estrela de Hollywood, então ela não fica arrumada o tempo todo, mas quer estar apresentável. Ela tem poucas joias, usa saltos pequenos, mas também sapatos de salto alto, e às vezes é um pouco mais esportiva. Ela usa ternos, mas [frequentemente] eles estão bem desalinhados – por exemplo, se Mank e Rita ficaram acordados por horas escrevendo e eles estão suados. David dizia: ‘Não toque neles, a menos que você esteja adicionando mais suor. Não faça com que pareçam perfeitos. ‘Gostei da ideia de deixar esse período de tempo mais gasto.”

Seu outro projeto da Netflix, Emily em Paris, é um dos programas mais comentados de 2020. Por que você acha que ele conseguiu capturar o zeitgeist da maneira que conseguiu?
“Todos nós queremos viajar. Todos nós queremos escapismo. Ser americano em Paris não é uma ideia revolucionária, mas no momento é impossível. O dom de vagar por uma cidade estrangeira e perder a noção do tempo é algo que todos nós sentimos falta. Em Emily em Paris, tínhamos a Patricia Field nos figurinos, então você sabe que vai ter um agrado para os olhos, e Darren Star, que sempre transforma as cidades das suas séries em personagens. A série tem um senso de humor, uma bobagem e um brilho, e acho que atingiu um momento em que todos nós mais precisávamos. Todos nós queremos rir e sorrir. Acho que há esperança no horizonte [agora] e a série se inclina para isso.”

Agora que a segunda temporada foi confirmada, o que você espera ver mais?
“Eu realmente espero ver Emily passar mais tempo com seus colegas de trabalho na Savoir fora do escritório e conhecê-los e ver mais da Mindy. Também espero que o francês de Emily melhore à medida que ela continua a crescer dentro de sua empresa como um ativo útil e mais positivo, embora, é claro, sempre se encontre em situações engraçadas. Eu adoraria que ela começasse a se sentir mais à vontade na cidade e mergulhasse mais fundo na vida como uma residente do que como uma visitante. Mas, quem sabe o que vai acontecer.”

Você teve um lockdown agitado em que ficou noiva. Como foi aquele momento?
“Foi totalmente surreal. Foi uma surpresa completa e dá para ver pela minha cara [no post do Instagram]. Não sou uma atriz tão boa [risos]. Eu sabia desde o momento em que ficamos juntos que queria estar com ele, mas não sabia quando isso iria acontecer. Estávamos em uma viagem, que adoramos fazer com nosso cachorrinho, e ele planejou tudo. Não havia outros humanos ao redor por quilômetros e quilômetros. Foi tão lindo e agora eu posso ser uma noiva e entrar no planejamento de tudo. Estou realmente animada.”

No seu Instagram, também parece que você tem surfado muito recentemente?
“Meu noivo Charlie surfa desde criança. Ele é tão bom nisso e um professor muito bom. Ele me ensinou a surfar durante a quarentena. É legal porque te deixa forte. Você tem que estar equilibrado quando está na prancha e você não está no controle, então você apenas tem que deixar ir, ficar calma e deixar rolar. Eu sinto que essa é uma metáfora perfeita para agora. Além disso, sou pisciana – amo a água.”

O que está fazendo você se sentir esperançosa para o futuro agora?
“Os resultados das eleições [nos EUA] e a ideia de que caminhamos para quatro anos de esperança, não de ódio. Acho que nunca estive tão envolvida e investida antes. Com a eleição de Obama [2008], eu estava cobrindo para a Nickelodeon e estava envolvida porque era meu primeiro ano de votação, mas este ano eu queria tanto que Joe Biden e Kamala Harris ganhassem. Eu nunca vou esquecer o momento em que aconteceu. Com esses resultados, provamos que podemos usar nossas vozes coletivamente. E, quão louco é que esta foi uma eleição americana que [parecia] uma eleição global? Eu tinha amigos na Inglaterra me enviando vídeos comemorando. É tão poderoso e um alívio ”.

Fonte: Vogue




Lily Collins participou do programa “Fallon Tonight” na noite do dia 30 de novembro para falar sobre seu novo filme “Mank” e sua série “Emily In Paris”. Assista a participação da Lily no programa ativando o player abaixo (em breve legendado):

Confira também algumas fotos da participação em nossa galeria:

PROGRAMAS DE TV E RÁDIO | TALK SHOWS AND RADIO STATIONS > 2020 > FALLON TONIGHT

LCBR-001.jpg LCBR-002.jpg LCBR-001.jpg




Lily Collins é a capa da Backstage Magazine onde ela fala sobre seu novo filme “Mank” que estreia em dezembro na Netflix. Confira a matéria traduzida abaixo:

Lily Collins quer contar uma história. Não, sério – é por isso que ela está numa reunião no Zoom de sua casa em Los Angeles em um dia de meados de outubro, falando sobre por que se tornou atriz. “Sempre adorei contar histórias, desde criança”, reflete ela. E como filha de Phil Collins e Jill Tavelman, é natural que ela tenha sido afetada pelo bug da performance. “Eu sabia que, como adulta, queria levar as pessoas nessa jornada comigo. É uma forma de escapismo. Existe uma grande magia nesses mundos que criamos na tela.”

Ela tem criado essa magia nos últimos 11 anos, desde sua estreia no cinema em “The Blind Side” até mundos horríveis, emocionantes, fantásticos, cômicos, dramáticos e além. Ela escapou da classificação, em vez de desaparecer em histórias próximas e distantes, do passado e do presente, cada uma diferente da anterior. Seus dois projetos mais recentes são para a Netflix, mas eles estão na tendência de cair em extremos opostos do espectro de gênero.

Pouco antes de a indústria dar uma pausa induzida pela pandemia em 2020, Collins estava saltando entre a França e Hollywood – primeiro para estrelar “Emily in Paris”, de Darren Star, no qual ela interpreta uma executiva de marketing millenial que se torna um peixe fora d’água depois de ser transferida para a Cidade das Luzes para trabalhar, e depois contracenou com Gary Oldman em “Mank” de David Fincher, que conta a história do roteirista vencedor do Oscar Herman J. Mankiewicz co-autor de “Citizen Kane”.

“Eu amo todos os gêneros, em certo sentido. Não quero nunca dizer que nunca vou fazer um, porque um cineasta incrível pode colocar uma reviravolta bizarra e interessante em um gênero que você nunca pensou que iria se associar, e de repente você vai,’ Eu não poderia imaginar não fazer parte disso’”, diz Collins. “Quero sentir que há algo que vou aprender sobre [mim] através de um personagem, e então há algo que as pessoas poderão ser capazes de aprender sobre si mesmas.”

O início ousado de Collins na atuação deixa claro por que ela usa cada papel como uma chance de aprender. Na verdade, toda a sua carreira como atriz foi autodidata. “Eu fazia parte de peças e musicais quando era criança, e acho que tinha 16 anos quando pensei, OK, eu realmente quero fazer isso. Não apenas na escola – eu realmente quero buscar isso profissionalmente. Comecei a fazer testes para obter mais experiência, mas me disseram que não”, lembra ela. “Quer dizer, eu ainda estava tão verde. Eu estava fazendo um teste e não entendia muito bem o que significava “verde”. Eu pedia feedback e eles diziam coisas como, ‘Você só precisa continuar fazendo isso. Apenas treine, de qualquer maneira que isso signifique, pratique e faça mais pesquisas. Você é nova e tudo bem.’”

E embora a rejeição seja algo que a maioria dos adolescentes fará de tudo para evitar, uma carreira de modelo em crescimento e as aspirações de se tornar um jornalista deram a Collins alguma experiência com esse sentimento. Quando ela desenvolveu suas convicções de atuação, ela sabia que enfrentaria mais do mesmo. “Esperei até uma idade em que me sentia forte o suficiente para continuar a ouvir não. Se eu achasse que isso me desencorajaria muito, eu saberia que não deveria insistir nisso, eu acho, mas eu realmente senti fortemente isso.”

Então o que ela fez para conseguir um sim? Ela continuou fazendo audições – por anos. “Eu sabia que havia muitas coisas que precisava melhorar e ficar mais confortável, dentro de mim, para ficar mais livre em uma cena e em um momento”, ela admite. “Eu cheguei perto das coisas, mas não cheguei lá.” Ela se formou no ensino médio e foi para a University of Southern California, onde começou a estudar jornalismo. Então, seu investimento em atuação começou a dar frutos, primeiro em uma aparição no reboot de 2008 “90210” e depois em “The Blind Side”. Quatro anos depois de começar a fazer testes para praticar, ela decidiu mergulhar na arte em tempo integral.

É difícil imaginar quatro anos ouvindo que você não é bom o suficiente, mas isso só alimentou o impulso de Collins para fazer isso direito. “Tentei interpretar ‘Não’ como ‘Não, agora não’, não como ‘Não, isso não é para você’. Em suma, era como uma vírgula, não um ponto final”, explica ela. “Eu sei que parece muito mais fácil do que é, mas eu sabia que o que eu queria fazer era o que eu queria fazer. Ouvir que você é verde é algo que você pode melhorar. Isso significa que há mais trabalho a ser feito. Eu sou alguém que nunca se esquivou de mais trabalho. Eu realmente acreditava que faria isso um dia, e continuei empurrando através dos nãos. Para ser honesta, fez meu primeiro sim muito melhor, porque eu senti que tinha merecido.”

Dez anos e mais de duas dezenas de créditos de atuação depois, Collins ainda está ganhando seus papéis. Ela fez o teste para “Emily in Paris” e “Mank”, mesmo com uma série de projetos importantes já em seu nome. (“Se há um projeto como ‘Mank’ com um criador como David Fincher e ele precisa vê-la em vídeo ou em uma sala, você faz isso”, diz ela. “Ele é um gênio por um motivo.”) Refletindo sobre o quê faz um teste de craque, ela diz que o segredo para acertar é saber que “não está apenas no que você diz – é em como você ouve a outra pessoa. É uma conversa entre duas pessoas. Se você está apenas vendo [os lados] como um diálogo, nunca vai conectar para você.”

Além disso, agora, ela aprendeu a se preparar de uma forma que lhe permite ser ágil na sala. “Contanto que você sinta que entende a pessoa que vai interpretar, você pode reagir à leitura da outra pessoa de uma forma genuína. Se sairmos do livro, se improvisarmos, desde que você saiba quem é a pessoa que você é na cena, você pode ter aqueles momentos mais libertadores”, explica ela. E cada processo de casting é diferente. “Às vezes, esse processo de casting dura semanas. Às vezes, dura dias. Às vezes é instantâneo. Às vezes você não ouve.”

Isso pode soar casual para uma empresa em que não receber uma resposta significa não conseguir o emprego, mas Collins fez as pazes com isso. Quando ela estava se preparando para voar para a França para começar a trabalhar em “Emily in Paris”, um trabalho que ela conseguiu no seu 30º aniversário após um período de um mês de reuniões e testes, ela teve a chance de fazer uma audição em vídeo para “Mank”. Ela o enviou sem pensar duas vezes: Por que eu não me candidataria a um projeto de David Fincher? Ela se atirou em uma sessão de fotos ocupada, interpretando a alegre, otimista e um pouco distraída Emily Cooper em praticamente todas as cenas da nova série Então, ela recebeu a ligação de “Mank” no meio da filmagem de “Emily”. Em um movimento que parece rotineiro hoje, mas era novo para Collins no verão de 2019, ela se aproximou do lendário diretor e descobriu que reservou o papel de Rita Alexander, uma espécie de assistente do titular Mankiewicz que digitava suas páginas todas as noites e geralmente mantinha o escritor na linha.

A partir de uma descrição ensolarada da Paris fictícia dos dias atuais, Collins voltou no tempo para contar uma história verídica que não escondia suas manchas. “Tive que entrar em um período de tempo completamente diferente e não havia muitas informações sobre Rita Alexander que pudesse encontrar. Não temos muitas informações sobre Herman Mankiewicz, muito menos sobre Rita. Tive que pesquisar mulheres da época e contar com conversas com cabelo e maquiagem e nossa incrível estilista para sentir o papel”, ela lembra. “Você anda de maneira diferente; você se comporta de maneira diferente em um papel de um período diferente. Eu amo desaparecer em qualquer personagem que eu interprete no sentido físico, tanto quanto no sentido emocional.”

Collins diz que usou seu tempo entre as tomadas no set de “Mank” para mergulhar na dinâmica entre a personalidade dela e de Oldman na tela. Ela falou com outros membros do elenco sobre como entrar no período de tempo e como as mulheres se comportaram na Idade de Ouro de Hollywood. Mas essa dedicação não foi exclusiva deste projeto. “Eu realmente amo o trabalho em equipe. Colaboro com todos que posso que participam da criação do personagem e tudo acaba se encaixando. Eu faço o máximo de pesquisas que posso, mas se você está interpretando alguém que é real e não há muito a ser descoberto sobre eles, você meio que tem que sair dessa pessoa e puxar de diferentes aspectos de outras mulheres da época/período e pessoas que você acha que ela poderia ter se inspirado”, diz Collins.

Esse aspecto colaborativo da narrativa é em parte por que Collins adicionou um novo título a seu extenso currículo este ano, com sua primeira incursão na produção de “Emily in Paris”, que acabou de ser renovada para uma segunda temporada. “Eu adoro todas as facetas da narrativa, então produzir foi fácil. Meus amigos que produzem me contam todas as peças que estão montando em um quebra-cabeça e adoro fazer parte disso”, diz ela. “Eu acho que era algo que eu sempre faria. Eu adoraria dirigir um dia. Eu escrevi um livro [“Unfiltered: No Shame, No Regrets, Just Me.”], Mas talvez eu escreveria um roteiro um dia. Não há nenhuma parte desta indústria que eu não ache fascinante. Estou constantemente conversando com todos os chefes de departamento e querendo aprender e entender, porque todos nós, coletivamente, fazemos o resultado final acontecer. Estou animada para pegar o que aprendi e avançar para outros projetos um dia.”

Mas até que ela esteja de volta ao set, ela está aproveitando o tempo em casa com uma apreciação renovada por exercícios de atuação e audições entre as aventuras ao ar livre com seu noivo, o cineasta Charlie McDowell. “Estar em quarentena ou não estar em um set por um tempo e não ser criativo da maneira que estamos acostumados, qualquer audição ou qualquer coisa que você leia ou até mesmo ter uma conversa sobre sair eu as uso como 25 minutos divertidos e experimentais, ou o tempo que for preciso.”

“A coisa bonita sobre o que podemos fazer nesta indústria é curar de alguma forma”, acrescenta ela. “Quer seja a cura através de uma risada [ou] através de um choro, se é algo com que você pode se relacionar fisicamente ou é algo que você sabe que outra pessoa passou, a arte cura e a arte inspira. Isso é o que eu quero encontrar nos personagens que interpreto, não importa o gênero. Esse é o verdadeiro dom de fazer filmes, [e] fazer TV. Apenas arte em geral.”

No caso de Collins, está claro que o dela é um presente que continuará sendo oferecido.

Fonte: Backstage Magazine

Confira as fotos do ensaio fotográfico em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2020 > BACKSTAGE MAGAZINE

LCBR-001.jpg LCBR-005.jpg LCBR-002.jpg

REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2020 > BACKSTAGE MAGAZINE

LCBR-001.jpg LCBR-001.jpg LCBR-001.jpg







layout desenvolvido por lannie d. - Lily Collins Brasil