Na tarde de ontem (7) foi divulgado através das redes sociais que a nossa amada Lily Collins se casou com Charlie McDowell. Confira abaixo mais detalhes:

Através de seu Instagram oficial, Lily Collins compartilhou detalhes do seu adorável casamento com o diretor Charlie McDowell. A atriz anunciou que o vestido usado por ela durante a cerimônia foi confeccionado pela marca de alta costura Rpalph Lauren e que foi um dos poucos criados pela mesma, juntamente com o da atriz Priyanka Chopra que se casou com o músico Nick Jonas há alguns anos atrás!

“Nunca quis ser de alguém mais do que quis ser sua, e agora eu posso ser sua mulher. No dia 4 de setembro de 2021 eu me tornei sua para sempre. Te amo infinito”. Collins escreveu em sua postagem em seu Instagram.

Além de compartilhar mais uma belíssima foto onde ela mostrava o seu véu em forma de capuz com a seguinte legenda: “Nunca fui tão feliz”.

E por último mas não menos importante, Lily compartilhou mais uma foto em seu feed na rede social com a seguinte mensagem: “O que começou como um conto de fadas, agora é minha realidade para sempre. Nunca vou conseguir descrever corretamente o quanto foi de outro mundo esse último final de semana, mas mágico é um bom lugar para começar…”.

O local escolhido para essa belíssima cerimônia do casal foi o Dunton Hot Springs, localizado nos arredores de Telluride. O resort remoto e renovado, já foi conhecido como uma cidade fantasma do século XIX e foi reformado em uma propriedade que inclui 12 cabines de luxo e um balneário restaurado que é alimentado por uma fonte natural de água quente.

E na tarde de hoje (8), Raph Lauren compartilhou detalhes do vestido usado por Lily Collins em seu casamento através do perfil oficial da marca no Twitter, confira:

“O vestido e a capa personalizadas com capuz foram totalmente feito à mão, trazidos à vida por quase 200 horas de trabalho artesanal e complexo”.

Confira abaixo algumas fotos compartilhadas com exclusividade pela revista People:

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2021 > PEOPLE MAGAZINE
LCBR001.JPGLCBR002.JPG
Lily já havia anunciado o seu noivado em setembro de 2020 através de uma postagem em seu perfil no Instagram!

Nós do LCBR, desejamos ao casal toda a felicidade do mundo!




Foi anunciado hoje (17) que Lily Collins é a cara da coleção Clash [Un]limited da Cartier. Confira a matéria abaixo:

De espírito livre, enérgico e único… Quem poderia encarnar melhor a dualidade criativa da coleção Clash [Un]limited do que Lily Collins?

Amiga de longa data da Maison, Collins tem um senso inegável de elegância extravagante, perfeitamente demonstrado por seu papel em EMILY IN PARIS, pelo qual recebeu sua segunda indicação ao Globo de Ouro.

“Para mim, fazer parte da família Cartier significa ingressar em uma comunidade de indivíduos de pensamento livre que demonstram grande força de caráter. Além do mais, a Cartier é Paris, essa certa ideia de elegância, esse refinamento francês, que as joias Clash [Un]limited e a bolsa Double C de Cartier incorporam com extravagância clássica.” Lily Collins

Fonte: Cartier

Confira em nossa galeria a sessão fotográfica para a marca:

 ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2021 > CARTIER CLASH UNLIMITED

LCBR-001.jpg LCBR-002.jpg LCBR-003.jpg




Foi anunciado hoje (12) que Lily Collins estrelará ao lado de Jason Segel e Jesse Plemons em “Windfall“, filme dirigido pelo noivo da Lily, Charlie McDowell. Confira a matéria do Deadline:

Jason Segel, Lily Collins e Jesse Plemons estrelarão o filme noir moderno da Netflix, Windfall, com Charlie McDowell na direção. Segel também desenvolveu a história com Justin Lader e Andrew Kevin Walker escreveu o roteiro.

O filme é um thriller hitchcockiano sobre um jovem casal que chega em sua casa de férias e descobre que está sendo roubada.

McDowell, Segel, Collins e Plemons também produzirão junto com Alex Orlovsky, Duncan Montgomery e Jack Selby. David Duque Estrada e Elika Portnoy serão os produtores executivos da Mutressa Movies, assim como Rick Covert.

Fonte: Deadline




Acaba de ser divulgado que Lily Collins estrelará um live-action da Polly Pocket em um filme da Lena Dunham. Confira a matéria traduzida abaixo:

Desde que conquistou os corações das crianças pela primeira vez no final dos anos 1980, a Polly Pocket inspirou brinquedos, bonecas, séries e programas de televisão. Ela andou de patins, snowboard, fez compras, cantou e exibiu uma atitude cativante e confiante. Agora, a Sra. Pocket será o tema de um longa-metragem que será escrito e dirigido por Lena Dunham, a criadora de “Girls”. A estrela de “Emily em Paris”, Lily Collins, vai dar vida a Polly.

A versão cinematográfica da popular linha de micro-bonecas se junta a uma longa e intermitentemente distinta linha de brinquedos para filmes que inclui o bom (“Transformers”, “O filme Lego”), o mau (“Max Steel”) e feio (“Batalha Naval”). Mattel Films, a divisão de filmes da linha de brinquedos Mattel, está trabalhando com a Metro Goldwyn Mayer (MGM) no filme, bem como com a produtora de Lena Dunham, Good Thing Going. O filme vai centrar-se em uma menininha e uma mulher de bolso que formam uma amizade.

“Como uma criança obcecada por Polly Pocket, este é um verdadeiro sonho que se tornou realidade e mal posso esperar para trazer esses minúsculos brinquedos para as telonas”, disse Collins.

Robbie Brenner e Kevin McKeon supervisionarão o projeto da Mattel Films. Sandino Moya-Smith e Winnie Carrillo vão dirigir as coisas para a MGM. Liz Watson e Michael P. Cohen, da Good Thing Going, serão os produtores executivos.

“Polly Pocket foi responsável por incontáveis ​​horas de escapismo infantil para mim – Polly me deu um pequeno mundo de magia e autonomia para narrar, então é muito poético abordar essas mesmas ideias agora como diretora colaborando com a brilhante Lily Collins, Robbie Brenner, Mattel e MGM ”, disse Dunham. “Estou tão emocionada em demonstrar meu amor por esta propriedade histórica e também minha crença arraigada de que as mulheres jovens precisam de filmes lúdicos inteligentes que falem com elas sem condescendência.”

A Mattel tem vários projetos em desenvolvimento, incluindo filmes baseados em seus brinquedos American Girl, Barbie, Barney e Hot Wheels. Alguns deles atraíram grandes talentos semelhantes para Dunham e Collins, com Greta Gerwig contratada para trazer “Barbie” para a tela.

Fonte: Variety




Nós queremos levar o melhor conteúdo á vocês, nossos seguidores e leitores. Com isso, estamos abrindo vagas para aqueles que desejam fazer parte do fã site brasileiro dedicado a atriz Lily Collins. E se você quer fazer parte da nossa equipe maravilhosa e ainda divulgar e levar notícias para os demais fãs, não perca essa oportunidade!

Os interessados deverão preencher a ficha abaixo e nos enviar em nossa DM no Twitter!

FICHA:

  • Nome:
  • Idade:
  • Twitter:
  • Cidade/Estado:
  • Nível de conhecimento da língua inglesa: (Básico, médio, avançado):
  • Participa de outro fã-site? Se sim, qual e qual área?
  • Porque gostaria de entrar na equipe do LCBR? Porque podemos confiar em você?
  • Qual vaga você está se inscrevendo:

Twitter – Responsável por atualizar nosso Twitter com todas as novidades, notícias e mais.
Newposter – Responsável por atualizar o nosso site com entrevista traduzidas, notícias, vídeos e mais.
Gallery Manager – Responsável por atualizar nossa galeria com todas as fotos.
Legender – Responsável por legendar novos e antigos vídeos.
Tradutor – Responsável por traduzir vídeos , entrevistas para revistas e etc.

Requisitos para Twitter: (duas vagas)
Saber procurar informações;
Nível intermediário em língua portuguesa e inglesa;
Ter tempo livre.

Newsposter: (duas vagas)
 Saber ler/escrever em inglês (nível intermediário);
Conhecimento básico de HTML e uso de WordPress;
Saber editar imagens, para criação de imagens para o post;
OBS: Se você não tiver conhecimento sobre WordPress, iremos lhe ensinar.

Gallery Manager: (duas vagas)
Ter tempo livre para procurar fotos em alta qualidade e screencaps de filmes, photoshoots e mais;
Conhecimento básico de Coppermine e FTP.
OBS: Se você não tiver conhecimento com  Coppermine e/ou upload via FTP, iremos lhe ensinar.

Requisitos para Legender: (duas vagas)
Conhecimento em editor de vídeo;
Nível intermediário em língua portuguesa e inglesa;
Ter tempo livre para legendar.

Requisitos para Tradutor: (duas vagas)
Nível intermediário em língua portuguesa e inglesa;
Ter tempo livre para traduzir.

Nós precisamos de pessoas que admire, aprecie e acompanhe a Lily. E o mais importante, que tenha tempo livre e realmente esteja disposto a ajudar a trazer o melhor conteúdo da mesma!

É necessário recordar que o ajudar no site é um trabalho voluntário, portanto, não haverá remuneração e que o site é focado na divulgação do trabalho da Lily e suporte a mesma.

Não há uma data final para se inscrever, conforme formos gostando dos inscritos, iremos entrando em contato e atualizando o post, então é importante que vocês fiquem atentos em nossas redes sociais.




As indicações ao Golden Globes foram divulgadas ontem (3) e Lily Collins conseguiu uma indicação na categoria de “Melhor atriz em série de comédia ou musical”.

Emily In Paris também conseguiu uma indicação a “Melhor série de comédia ou musical” e Mank recebeu 6 indicações, incluindo “Melhor filme de drama”.

Lily concedeu uma entrevista para o Deadline onde falou sobre a indicação e o retorno das gravações de “Emily In Paris”. Confira traduzido abaixo:

Com uma indicação ao Globo de Ouro por seu papel homônimo de Emily em Paris anunciada na manhã de quarta-feira, Lily Collins contou ao Deadline que está “honrada” por ser indicada e emocionada com a indicação do programa e pelas várias indicações para sua “família Mank” – filme de David Fincher em que ela estrelou ao lado de Gary Oldman.

A série Emily In Paris, da Netflix, foi o auge das maratonas no mundo contando a história da moça americana que se muda para a cidade luz. “Emily permite um senso de aventura”, disse Collins sobre a enorme fanbase do programa. “Existe a estética de você ser capaz de se perder em outro país… Esse senso de aventura, acho que todos desejamos mais do que nunca.

Na primeira temporada do programa criado por Darren Star, Emily se envolveu em um romance com seu vizinho Gabriel (Lucas Bravo) e fez amigos, incluindo a aspirante a cantora profissional Mindy (Ashley Park), então, como a série foi renovada para uma segunda temporada, o que o futuro pode reservar para Emily?

Romanticamente, o futuro de Emily com Gabriel parecia sombrio na última temporada, já que foi revelado que ele estava em um relacionamento com Camille (Camille Razat). “Não sei o que eles estão escrevendo agora”, disse Collins, “Mas acho que seria um pouco cedo para Emily se decidir. Acho que ela ainda está explorando as perspectivas. Honestamente, acho que Emily nem sabe [o que vai acontecer], e essa é a beleza da maneira como eles escrevem o programa. Ela ainda não encontrou todas as qualidades que talvez esteja procurando. Dito isso, existe aquela conexão com Gabriel, mas agora ela tem Camille naquele triângulo amoroso, então eu acho que ainda há experiências a serem vividas, aventuras a serem vividas e ela ainda está se encontrando.”

Caso contrário, podemos esperar mais diversão para Emily na arena da amizade. “Estou tão animada que Mindy foi morar com ela”, disse Collins. “Então, eu não posso esperar para ver o que a loucura acontecerá lá.”

Collins também está ansiosa para talvez aprofundar a história de sua personagem. “Na primeira temporada, tivemos apenas dez episódios para realmente explorar seus novos amigos no trabalho e quem ela conhece fora do trabalho, então estou animada para mergulhar mais fundo nessas histórias e passar mais tempo misturando os dois grupos de pessoas que ela conhece… Agora que a vimos com todos esses ‘parisiismos’, talvez possamos realmente obter um pouco mais de sua história e experimentar isso com alguns dos outros personagens. Mas você sempre sabe que com Emily você terá humor e terá aventura. Isso não vai faltar – e muita moda.”

Sobre quando a série começará a ser filmada novamente, Collins disse: “Esperamos voltar em breve. Espero que na primavera. Estamos tentando seguir em frente. Novamente, tudo está dependendo do Covid. Quando fomos renovados para a segunda temporada, isso nos deixou ainda mais animados e ansiosos para voltar. Claro que existem tantos regulamentos agora e queremos estar seguros, mas queremos voltar. ”

Fonte: Deadline




Foi divulgada hoje (7) uma nova entrevista da Lily Collins para a revista InStyle acompanhada de uma sessão de fotos maravilhosa. Confira a matéria traduzida abaixo:

Essa história, como muitas que se passam no sonho de estresse sem fim que é 2020, começa com dificuldades técnicas.

“Eu deveria estar melhor a esse ponto,” Lily Collins me disse quando finalmente conseguimos nos conectar pelo Zoom. “Eu ainda me vejo tropeçando”, diz ela, referindo-se à mecânica de nosso novo normal: entrevistas virtuais e sessões de fotos do FaceTime, um vernáculo outrora estranho que inclui configurações de ring lights e códigos de sala de reunião.

Apesar da curva de aprendizado em casa, o conforto de Collins com a comunicação (em qualquer forma) é claro. Aparecendo na tela em um suéter rosa claro com recortes nos ombros, seus longos cabelos castanhos repartidos ao meio e fluindo sobre o peito (como o tutorial do YouTube diz que deveria – mas nunca faz), ela parece estar à vontade, ansiosa.

Parece que uma claquete foi fechada, “ação!” chamada na primeira tomada do dia. A energia de Collins é alta e suas respostas abundantes – palavras derramando em uma corrida contra o relógio de 60 minutos que é a nossa conversa. Claro, esta não é a primeira tomada do dia – minutos antes de nossa entrevista, Collins estava terminando outra, e poucas horas depois ela estava jogando uma partida de tênis falso na quadra de sua mãe para nossa sessão de fotos. Então veio a estreia virtual de seu novo filme da Netflix, Mank. Mesmo neste estado de quarentena, a ação nunca para.

Nas raras ocasiões em que conseguiu desacelerar, ela dedicou seu tempo à autorreflexão, já que esse período marca o período mais longo da vida adulta de 31 anos que ela passou em casa, temporariamente liberada da agitação de turnês internacionais de imprensa e sessões de fotos em locação.

Ainda assim, a ansiedade se alastrou nos últimos nove meses, afetando Collins mais profundamente do que nunca. E embora as demandas de sua carreira tenham tornado a comunicação à distância com amigos e família algo normal, ainda é difícil conciliar a socialização por meio de uma tela com alguém que mora a uma curta distância de sua casa em Los Angeles.

“Há tanta tristeza nisso”, ela admite, suas expressões faciais e o levantamento de sobrancelhas ditando sua resposta tanto quanto suas palavras. “Seria ótimo poder utilizar esse tempo [agora] que temos, para ver amigos, para ver a família, para ter essas experiências e aventuras incríveis juntos. No entanto, obviamente não é isso.”

No papel, essas são as respostas praticadas de uma atriz cujo treinamento de mídia começou antes que ela pudesse votar. Mas depois de ler as memórias de Collins de 2017, Unfiltered, sua paixão por se conectar com os outros e transmitir as lições que ela aprendeu presentes em cada página, parece-me que esses sentimentos, embora óbvios, são apenas intrinsecamente Lily. Respostas de uma palavra não são seu estilo – meditações de cinco parágrafos reveladores, sim.

Somando-se à tristeza de um ano passado em casa, Collins tem muito o que comemorar atualmente. Uma semana antes do lançamento da comédia de grande sucesso Darren Star da Netflix, Emily In Paris, Collins anunciou que ela e seu namorado diretor Charlie McDowell estavam noivos.

“Muitos de nossos amigos e familiares [estavam] tipo,‘ Obrigado por nos dar algo pelo que ansiar’”. A futura sogra Mary Steenburgen, por exemplo, está “nas nuvens”.

“Acho que os últimos meses foram tão nublados em trevas e negatividade”, continua Collins, “e qualquer coisa positiva e cheia de esperança e luz é algo a que queremos nos agarrar”.

Collins, uma autoproclamada otimista, não está permitindo que as restrições da pandemia diminuam a empolgação dela e de McDowell. “Estamos celebrando juntos”, ela me diz com naturalidade, como se a resposta fosse óbvia (o que suponho que seja). “O mais importante é que estamos muito animados. Não precisamos ter nada para comemorar o quanto estamos animados. Você ainda pode compartilhar a emoção, é apenas de uma maneira diferente.”

Como milhões de americanos, Collins e McDowell estavam absorvendo o coquetel de ansiedade e empolgação induzida pela eleição que nos deixou em um estado quase zumbi, prisioneiros de nossas telas por quase cinco dias seguidos enquanto esperávamos a palavra final de nossos âncoras de notícias.

“Fiquei tão fascinada e não consegui desligar”, diz ela sobre a cobertura eleitoral. “Eu nunca esquecerei isso.”

Em 7 de novembro, quando Joe Biden foi declarado presidente eleito dos EUA, Collins postou fotos dela e de McDowell, vestindo calça de moletom e posando diante da televisão, os braços erguidos em comemoração enquanto a CNN anunciava a vitória na tela.

Antes de Collins se tornar uma atriz estabelecida, ela era uma jornalista adolescente. Em 2008, ela trabalhou na campanha Kids Pick the President da Nickelodeon e até mesmo cobriu a posse do presidente Barack Obama no ano seguinte. Mas, apesar de seu envolvimento inicial na política, não era uma área que ela tivesse muito conhecimento.

“Não era algo que eu realmente me sentisse confortável para falar, porque eu simplesmente não era tão educada nisso”, diz ela. “Não parecia certo falar sobre algo que eu não sabia muito sobre.”

Isso mudou quando ela conheceu McDowell, cuja paixão pelo assunto a inspirou.

“[Ele] me ensinou muito”, ela me diz. “Tem sido tão incrível e ampliou muito a minha mente por estar aberta para me educar e ter um parceiro que apoia tanto isso.”

“É muito positivo crescer dessa forma, devo dizer. E não ter medo de vocalizar isso nas redes sociais e realmente usar essa plataforma de uma forma que eu não tinha antes.”

Permanecendo na marca com foco na positividade e Emily ao estilo parisiense, Collins encorajou seus seguidores a votarem. “Casais que votam juntos ficam juntos”, ela legenda uma imagem dela e de McDowell segurando suas cédulas, ambos usando um tom esteticamente agradável de bege. “Você nunca é jovem demais para começar a se envolver, educar-se e usar sua plataforma”, ela aconselhou seus fãs adolescentes durante o verão, postando uma foto de retrocesso dela mesma relatando a Convenção Nacional Democrata de 2008.

E com o segundo turno das eleições para o Senado da Geórgia se aproximando, ela diz que seu ativismo político ainda está “muito vivo”.

Fileiras de câmeras vintage cintilantes ficam atrás de Collins, uma exibição que instantaneamente me lembra da obcecada por estética Emily Cooper, a millenial no exterior que a atriz trouxe à vida em Emily In Paris.

A série, que depende muito de seu cenário parisiense, é a definição de escapismo, agravado, é claro, pelo fato de que nós (com exceção do jet-set da ilha particular) realmente não podemos escapar.

Se Emily vivesse em nossos tempos de pandemia, Collins imagina que ela teria algo inovador. “Ela é tão criativa e engenhosa que provavelmente teria criado algum tipo de empresa”, diz ela. “Eu acredito que ela surgisse com alguma startup maluca, mas então ela volta para o escritório e é como se ela tivesse esse produto que agora está espalhado por toda parte.” Mon dieu!

Emily In Paris foi recentemente renovada para uma segunda temporada (uma recompensa indescritível da era Netflix da quarentena) e, no futuro, há mudanças a serem feitas.

“Acho que há uma grande oportunidade de incluir mais diversidade na série – nos bastidores, na frente das câmeras – e há conversas que estamos tendo sobre isso”, diz Collins, pensativa. A amiga de Emily, Mindy (Ashley Park) e o colega Julien (Samuel Arnold) estão entre os poucos membros não brancos do elenco. “A inclusão é algo que é realmente importante para mim e depois de tudo o que aconteceu nos últimos meses, ela foi iluminada para mim de muitas maneiras de como podemos melhorar globalmente.”

A série foi sujeita a críticas, com pessimistas criticando tudo, desde a adoção da série de estereótipos franceses até a caracterização da própria Emily envolta em privilégios.

Collins se orgulha de ser uma boa ouvinte – embora eu possa garantir que ela também é muito boa na parte falante. Mas há uma diferença entre ser ativa e reacionária, ela me diz (duas vezes, na verdade), e como produtora estreante ela está encontrando esse equilíbrio.

“As pessoas sempre encontrarão o que há de bom e de ruim em qualquer coisa, e como temos a capacidade de fazer a segunda temporada, você não pode levar tudo em consideração”, diz ela, observando que com apenas 10 episódios com menos de 30 minutos cada, eles não foram capazes de explorar todos os tópicos que esperavam cobrir na primeira temporada. “Nem sempre vai agradar a todos”.

E embora não seja seu trabalho fazer de Emily algo que ela não é, ela vê valor em “brincar” com mudanças. “Se ainda não funcionar, pelo menos você pode dizer que tentou.”

Sua capacidade de confrontar as críticas com tal eloquência foi aprimorada em uma idade precoce, enquanto ela observava seu pai, o músico Phil Collins, navegar em uma indústria que exige um alto nível de exposição – e, com ela, uma abundância de negatividade externa.

“É preciso muita bravura para ser vulnerável como artista e se colocar lá fora e levar sua paixão para as pessoas ao redor do mundo – ver meu pai fazer isso, eu sempre admirei muito isso”, diz ela.

Mas essa vulnerabilidade tem um preço, como qualquer pessoa com 22 milhões de seguidores no Instagram (e contando) pode e irá lhe dizer. Ela sabe que não deve ler os comentários – isso é “How to Be a Celebrity 101” – mas o conhecimento de primeira mão de Collins do que significa dar uma parte de si mesma ao público é provavelmente mais nuançado do que a maioria.

“Tão aplaudido quanto você pode ser, você também pode ser derrubado”, diz ela, um olhar distante nublando seu rosto enquanto ela continua. “Eu admiro qualquer pessoa que consegue ficar centrada nessa experiência.”

Collins raramente fica sem palavras, mas quando ocasionalmente dá um tempo para responder, bebendo de um canudinho em um pote de conserva, a resposta geralmente já está escrita em seus traços de Audrey Hepburn. Imagino esse comportamento se traduzindo no set: olhos acesos, mãos em movimento, internalizando tanto quanto externalizando.

Por mais veementes que sejam os críticos de Emily In Paris, os fãs são igualmente zelosos. Emily se tornou uma fantasia popular de Halloween apenas algumas semanas após a série ser lançada. E Collins, experimentando o sucesso da série em casa, ficou “maravilhada” com o apoio.

A pandemia a forçou a pular o típico dilúvio de eventos no tapete vermelho e viagens rápidas ao exterior. Em vez disso, Collins ficou com uma experiência que parecia mais genuína.

“Não é um passeio louco que você está fazendo”, diz ela. “Você está na verdade em sua casa, na verdade, com sua pessoa, tendo a realidade de lavar pratos, levar o lixo para fora… e enquanto todas essas coisas que você faz em sua vida diária estão acontecendo, também ouvir como algo que você criou com as pessoas, está fazendo e está atingindo o zeitgeist… é apenas uma maneira realmente humilde e fundamentada de vivenciar isso.”

Ela está no meio de sua segunda grande turnê de imprensa virtual com outro projeto da Netflix, Mank, de David Fincher. O filme, ambientado inteiramente em preto e branco para imitar o estilo dos filmes da época, segue o roteirista Herman Mankiewicz (Gary Oldman) de Citizen Kane enquanto ele luta para escrever o que agora é considerado um dos maiores filmes de todos os tempos. Collins interpreta Rita Alexander, a estenógrafa de Mank e, cada vez mais, sua confidente.

Collins sentia-se bem versada nas armadilhas da velha Hollywood, em parte graças à sua infância. “Eu me sinto sortuda por ter crescido em uma família que abraçou e encorajou filmes antigos, velhos comediantes, velhos atores e atrizes de Hollywood”, ela me diz. Eu imagino uma jovem Collins enrolada em um sofá de veludo em uma sala cheia de memorabilia de filmes antigos, rindo para si mesma enquanto uma comédia dos Três Patetas passa em um projetor acima.

“Muitas pessoas desta próxima geração podem nem ter ouvido falar de Citizen Kane. Algumas pessoas nem sabem quem é Audrey Hepburn. E para mim, eu cresci em uma casa onde havia muita ênfase e entusiasmo no passado e na velha Hollywood. Isso foi muito prevalente na minha infância. ”

As glamourosas primeiras décadas da indústria cinematográfica também se mostraram difundidas no trabalho de Collins, primeiro com a adaptação em série do set de 1930, The Last Tycoon, e depois com o romance inspirado em Howard Hughes, de Warren Beatty, Rules Don’t Apply.

“Eu me senti como, ‘Oh, eu sei muito sobre este período.’ E então eu li o roteiro [de Mank] e disse, ‘Não sei muito sobre este período. Na verdade, há toda uma outra camada nisso que eu não sabia’”, diz ela sobre a história por trás da criação de Cidadão Kane.

O papel de Collins não é grande, mas é vital. Rita é um contraponto à ingênua típica dos anos 30 – ela é franca, segura e, como a própria Collins, sempre disposta a ver o melhor nos outros.

“Ela realmente responsabiliza [Mank] de maneiras bastante ousadas, porque ela pode ser demitida”, Collins me diz. “Ela usa a voz e se expressa para o Mank, porque vê o potencial dele. Ela realmente acredita no melhor dele e deseja que ele tenha sucesso. Eu sou alguém que vai continuar me dando para o aperfeiçoamento de alguém, porque se eu acreditar neles e ver esse potencial, sempre vou querer animá-los e enraizá-los. E eu sinto que essa é a essência de Rita.”

É quase chocante ver Collins como Rita, uma temática 180 graus da efervescente americana em Paris. Mas como alguém que rasgou a filmografia de Collins em questão de semanas, derramando lágrimas como uma frágil Fantine lutou para vocalizar suas palavras finais na minissérie Les Misérables da BBC, cerrando meus punhos enquanto Liz Kendall confrontava seu namorado de longa data Ted Bundy na prisão, implorando a ele para admitir seus crimes em Extremely Wicked, Shockingly Evil And Vile, posso atestar que Collins nunca foi apenas uma coisa.

Mas ela não está fazendo o trabalho que faz para a minha avaliação ou a sua.

Os críticos que se danem, Collins acredita na importância de se orgulhar do que você faz e nas armadilhas de escolher projetos, como em The Bachelor, pelos “motivos errados”. Se existe algum limite entre Collins, Emily e Rita, a abordagem “ouça seu coração” certamente é essa.

Fonte: InStyle

Confira as fotos da sessão fotográfica na nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

 ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2020 > INSTYLE

LCBR-001.JPG LCBR-004.jpg LCBR-006.jpg

Lily também fez um vídeo respondendo algumas perguntas de fãs, assista no player abaixo (em breve legendado):




Foi divulgada recentemente que Lily Collins é a capa da revista L’OFFICIEL, acompanhada de uma entrevista e uma linda sessão de fotos. Confira a entrevista traduzida abaixo:

Quando Lily Collins chegou a Paris há mais de um ano e meio para começar a filmar Emily em Paris – a desavisada série da Netflix que se tornou um monstro da fama da noite para o dia – a cidade não era como ela esperava. Nascida em Surrey, na Inglaterra, mas criada em LA, a filha de Phil Collins é françófila há muito tempo, mas ao retornar à capital francesa como Emily, uma esperançosa americana que tentava se infiltrar no mundo da alta moda, o volume da cidade parecia mais suave. Com o calor de agosto seduzindo a maioria dos parisienses para Biarritz ou Provença para passar as férias, Collins e sua equipe se encontraram quase em um mundo próprio, isto é, até que o resto do mundo notasse.

Assinado por suas molduras ovais e alegria imperturbável, Alber Elbaz teve uma experiência semelhante quando emigrou de Nova York. “Eu estava tipo, onde estão todos?” lembra Elbaz, que atravessou o Atlântico para trabalhar com Guy Laroche em meados dos anos 90. O designer de moda, que mais tarde iria para Yves Saint Laurent antes de forjar seu legado ao remodelar a casa da Lanvin – e a moda feminina contemporânea como a conhecemos – estava, no entanto, em casa naquele verão. O destino na forma de um amigo em comum uniu Elbaz e Collins, e os dois continuaram a se encontrar nas semanas em que a série criada por Darren Star foi filmada. “Em um ponto eu estava tipo, eu estou nesta série?” ele ri. Elbaz era, de fato, não, mas a paralelidade do par foi selada de mais maneiras do que uma.

Muitos meses de memes da Internet e números recordes depois, Collins, com sua boina temporariamente aposentada, não é menos Emily hoje como ela não é menos o que era antes. Recentemente noiva, a atriz está embarcando no que pode ser a fase mais importante de sua carreira com Mank, o novo drama biográfico de David Fincher sobre o roteirista de Citizen Kane Herman J. Mankiewicz e sua notória rivalidade com o diretor Orson Welles. Recatada, mas mordaz, Collins interpreta Rita, a secretária de Mankiewicz de Gary Oldman e voz da razão para o caos doméstico do esquecido escritor. O filme em preto e branco foi escrito pelo falecido pai de Fincher, Jack, e glorifica o drama da Velha Hollywood por meio do estilo magistral do diretor. Nove horas à frente na França, Elbaz também está na ponta dos pés à beira da novidade. Desde sua saída da Lanvin em 2015, o influente designer se manteve propositalmente fora da arena da moda, colaborando em projetos de beleza, calçados e até mesmo de cinema – isto é, até agora, com o lançamento lento de seu muito reservado, Richemont- apoiou a startup de moda, AZ Factory, que estreou em janeiro. Deslocados dos paralelepípedos de Paris, a atriz e o designer se reconectam para discutir a empolgação compartilhada, a criatividade em quarentena e a alegria pela frente.

JOSHUA GLASS: Emily em Paris satiriza muitas coisas diferentes, mas em sua essência o show é realmente sobre ser um estranho – para uma indústria, para um ponto de vista, para uma atitude. O que esse sentimento significa para cada um de vocês?

LILY COLLINS: Não há nenhuma cena transformadora na série em que Emily vai para um camarim como Emily em Chicago e sai como Emily em Paris. Ela permanece quem é durante toda a temporada, enquanto aprende e cresce. Cada vez que vou para um novo set de filmagem ou TV, ainda me sinto um pouco assim – como um peixe fora d’água. É a experiência de entrar em um novo ambiente, sem conhecer ninguém e ter que trazer tudo o que você preparou para a mesa. Foi interessante interpretá-la, uma jovem em uma situação estrangeira que tem que se adaptar, mas manter quem é. Acho que muitas pessoas podem se identificar com a ideia de não querer mudar quem você é para se encaixar.

ALBER ELBAZ: Acho que, em última análise, a mensagem para mim é que vale a pena ser legal. Porque você poderia ser uma vaca, Lily, mas não era. Você, como Emily, era uma boa garota com bons valores. Você não entendeu por que as pessoas não cooperaram com você ou não entenderam você. Mas também foi um grande choque cultural. Lembro-me da experiência do imigrante. Já fui imigrante algumas vezes na vida: nasci no Marrocos, fui criado em Israel e depois fui para a América. Na cidade de Nova York, eu tinha um apartamento do tamanho de uma mesa e duas colegas de quarto, uma delas chamada Muffin. Sim, Muffin. Você precisava ver Nova York com seus próprios olhos para entendê-la e, quando cheguei, não era apenas um estranho – não era ninguém.

JG: Ninguém poderia ter previsto o quão incrivelmente popular a série se tornaria, e Lily, é facilmente seu papel de maior alcance até agora. Alber, em sua longa carreira, você teve um momento Emily em Paris?

AE: Uma vez, quando eu estava em Nova York, me deparei com essas rosas lindas e disse: “Uau, elas são lindas!” A florista me disse “18 dólares”. Eu nem perguntei o preço. Alguns meses depois, eu estava em Paris e me deparei com outra barraca. “Uau, essas rosas são lindas”, eu disse ao dono. “Estas são rosas chamadas Piaget”, disse ele de volta. “E eles crescem apenas uma vez por ano. Cheire-os. Eles crescem ao sol! ” Eu perguntei: “Então, quanto custam?” E ele disse: “Não temos certeza do preço”. São pequenas coisas que mostram a diferença entre pessoas, cidades e culturas. Em Paris inventaram o perfume, então sempre há aquela sensação de sonhar. Sempre me lembro do que minha mãe costumava dizer sobre o perfume: “Apenas cheire, nunca beba”.

LC: Muito de uma coisa boa?

AE: Sim, e também se aplica ao sucesso. Um dos maiores perigos do sucesso é quando você começa a acreditar que é fabuloso demais; que você é maior que a vida. Eu sempre trago de volta para aquele momento do perfume. Eu digo a mim mesmo, não beba o perfume. Apenas cheire.

JG: Quase da mesma forma, vocês dois estão virando as páginas de dois grandes capítulos em suas vidas. Lily, seu novo filme, Mank, dirigido por David Fincher, estreia esta semana no Netflix, enquanto Alber, sua nova startup de moda, AZ Factory, será lançada no próximo mês. Onde vocês dois se encontram emocionalmente?

LC: Nunca pensei que trabalharia com David. A ideia de que ele acreditou em mim para assumir essa personagem e fazer parte de algo desse calibre – outro projeto dos sonhos – foi um verdadeiro presente. David é um gênio em sua área. Ele sabe exatamente o que quer e como conseguir, mas também está aberto à colaboração. Ele o respeita, enquanto você – e toda a equipe – têm imensa admiração por ele. Quando você faz parte de algo assim, isso muda o padrão que você definiu para si mesmo. Nós filmamos ao mesmo tempo que estávamos filmando Emily, então foi um contraste dramático ir de cor – literalmente – para o preto-e-branco para o humor versus drama estoico e sem sentido. Voando de um lado para outro de Paris a Los Angeles, eu estava exausta, mas me sentia realizada de forma criativa.

AE: Para todo artista, a página em branco é a coisa mais assustadora de se enfrentar. Não sei como é atuar, mas às vezes sinto que o que faço é quase como o nascimento de um bebê. Tudo começa e você não fica tipo, Oh, uau, a vida é linda! É mais como, Ai, ai, ai! Mas então sai e você esquece a dor. Mas entrar e depois sair é muito difícil. [Depois da Lanvin], decidi não fazer moda por alguns anos porque não estava mais apaixonado. Ao mesmo tempo, era a única coisa que sabia fazer. Eu nem sei dirigir um carro, então eu nem poderia ser um motorista de táxi! Eu tinha todas essas ofertas de todas essas grandes casas de moda e não queria ser uma diva, mas senti que algo não me deixaria começar de novo tão cedo. Comecei a ensinar. Fui a todas essas escolas incríveis ao redor do mundo para entender o que está por vir e para onde o mundo estava indo – isso foi antes do COVID-19, é claro. Então eu assinei com a Richemont e abri essa startup.

JG: Qual é a sensação de trabalhar em projetos tão importantes quando o mundo nunca foi tão diferente de como o conhecemos?

LC: Acho que tem sido muito interessante para mim – ou para todos nós na indústria, na verdade – experimentar algo durante a quarentena. Eu adorei, na verdade, mas é muito diferente. Sinto falta do elemento social: sair em sessões de fotos e estar perto das pessoas, mas tem sido muito bom experimentar a alegria e as risadas e os sorrisos que Emily trouxe para tantas pessoas, porque apareceu exatamente quando precisávamos sorrir e rir mais. Por outro lado, a quarentena tem sido uma ótima maneira de separar o trabalho da vida pessoal. Certo? Quer dizer, fiquei noiva durante a quarentena e, embora Mank esteja sendo lançado, não tive que sair imediatamente por semanas para fazer uma turnê de imprensa para isso. Pude falar sobre o filme, pelo qual sou tão apaixonada, de casa e depois sair para passear com meu cachorro. Eu realmente confio em meus amigos e família e – até certo ponto até eu mesma – para me trazer de volta se eu me descobrir querendo “beber o perfume”. Tem sido realmente incrível estar em casa e assistir Emily em Paris se tornar essa sensação global que ninguém esperava, mas também humilde por não ter se tornado meu tudo. Para continuar cheirando, como você disse.

AE: Tudo sobre COVID-19 tem sido tão deprimente e horrível. O que mais sinto falta neste momento é ser abraçado e a capacidade de abraçar outras pessoas. Eu nem quero sentar em um café, apenas contato físico. Eu também sou um hipocondríaco, então isso não tem sido fácil para mim. No entanto, acho que este momento em que estamos vivendo também nos levará a um lugar diferente. É uma espécie de desintoxicação. Está nos forçando não apenas a mudar, mas também a mudar mais rápido.

LC: Esta tem sido uma experiência intensa de autorreflexão e crise de identidade. Pode ser assustador, especialmente quando você está cercado pelo mesmo espaço e tem que olhar para dentro para enfrentar as coisas sobre você ou seu futuro que você realmente não teve antes. Existe o espelho metafórico de todos os dias: Quem sou eu? O que eu quero realizar? O que me faz feliz sem distração? Além disso, é um momento muito importante para pensar sobre questões maiores no mundo, como COVID-19, Black Lives Matter e política na América. Há tanto tempo para ficar quieto e ficar quieto que acho que vai haver uma versão de um Renascimento depois disso, onde as pessoas estão morrendo de vontade de ser criativas.

AE: Eu li recentemente que o ator Roberto Benigni disse que a pobreza era a melhor herança que alguém poderia ter. Acho que todos nós estamos passando por uma sensação de pobreza hoje porque estamos sem muito – amizade, pessoas, família, trabalho, etc. Lily, o fato de você ter encontrado o amor da sua vida durante a quarentena é tão simbólico porque você o conheceu quando você era realmente você. Sem decoração.

LC: O que é interessante é que Charlie e eu nos conhecemos pouco antes de Emily em Paris, e ficamos noivos em setembro. A quarentena fez e separou muitas pessoas, mas o tempo juntos apenas solidificou o que já sabíamos um do outro. Como você acabou de dizer, todo mundo tem sido muito quem são nos últimos meses, porque não há distrações externas. Estamos todos realmente voltando ao âmago de quem somos, sem as camadas da sociedade. Quando você vê alguém no seu melhor e no seu pior e ainda está lá com ele, isso é uma coisa linda.

AE: Lily, você sabe, eu desenhei 32 vestidos de noiva.

LC: De jeito nenhum!

AE: Trinta e dois anos na minha vida anterior e 31 ainda estão casadas. É melhor você me ligar quando precisar de um vestido!

JG: Uma última pergunta que algum de vocês gostaria de saber?

LC: Alber, partir em uma aventura como esta é assustador e desesperador, mas você deve estar animado também?

AE: Tenho certeza de que, como atriz, há momentos em que você está no set cercado por todas essas pessoas e lhe dizem: “Oh, uau, é incrível.” Mas nos perguntamos internamente: é mesmo? Eles vão conseguir? Eles vão adorar? Porque não é se eles vão adorar, mas se eles vão me amar. Nós nos tornamos o alvo de tudo o que fazemos. Mas sim, estou muito animado. Você sabe, eu não sou o tipo de férias. Eu odeio a areia. Eu não suporto barcos. Mas, no primeiro dia em que entrei em meu novo escritório aqui, disse: “Deus, as férias acabaram de começar”.

LC: Que maneira maravilhosa de pensar sobre isso. Você é uma das pessoas mais amadas do mundo, e todos estão torcendo por você. Você falou sobre Emily como alguém que é tão legal e caloroso e permanece ela mesma, mas é isso que você é, Alber. Em tudo e em todos os obstáculos que surgem em seu caminho, você é você. Estou muito animado para ver o que vem por aí, porque você sempre faz as pessoas e as mulheres se sentirem tão poderosas e bem consigo mesmas.

Fonte: L’OFFICIEL

Confira as fotos da sessão fotográfica abaixo:

REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2020 > L’OFFICIEL ART – DECEMBER

LCBR-001.jpg LCBR-001.jpg LCBR-001.jpg

 ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2020 > L’OFFICIEL ART

LCBR-001.jpg LCBR-002.jpg LCBR-004.jpg

Assista ao vídeo da Lily para a L’OFFICIEL (em breve legendado):

Fizemos capturas de tela do vídeo e vocês podem conferir em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

CAPTURAS | SCREENCAPS > ENTREVISTAS | INTERVIEWS > 2020 > LILY COLLINS OPENS UP ABOUT HER FRENCH EXPERIENCE | L’OFFICIEL

LCBR-016.jpg LCBR-017.jpg LCBR-035.jpg




Lily Collins é a capa de dezembro da revista Byrdie. Ela concedeu uma entrevista juntamente com uma linda sessão de fotos. Confira abaixo a entrevista traduzida:

Superficialmente, tudo sobre o meu almoço com Lily Collins parece normal. Estamos comendo no restaurante ao ar livre de um dos hotéis mais famosos de Los Angeles, frequentado por lendas de Hollywood como Marilyn Monroe e Elizabeth Taylor, e famoso por suas paredes forradas de hera, atualmente filtradas pelo sol sem estação de Los Angeles. Mas não houve nada de “normal” no ano de 2020, enquanto o mundo inteiro luta contra um vírus mortal e as palavras “pandemia” e “contágio” explicam nossa realidade (em vez de um filme apocalíptico com Matt Damon e Gwyneth Paltrow) Isso explica por que Lily, vestida com um blazer Maje de estanho e jeans escuros, fica visivelmente hesitante quando a recepcionista nos leva para nossa mesa no centro do espaço ao ar livre, reunida em todas as direções por grupos de convidados tagarelas. Los Angeles só recentemente aliviou suas restrições a refeições para permitir o serviço ao ar livre e, portanto, algo tão “normal” como uma entrevista de almoço à tarde carrega consigo o peso adicional de meses de distanciamento social, ótica e o desconforto do protocolo de segurança (as mesas realmente estão a dois metros de distância, eu me pergunto…).

“Esta é a primeira vez que como em um restaurante desde o início da quarentena”, Lily sussurra para mim, os olhos arregalados quando nos sentamos. Ela parece ligeiramente em estado de choque, o que é compreensível, já que o início da quarentena foi em março e agora estamos jantando juntos no final de outubro. Faço um sinal para nossa garçonete e peço uma mesa mais silenciosa e socialmente distante. Felizmente, há um em outra área do restaurante e, quando nos sentamos, Lily visivelmente relaxa com um suspiro. “Sinto muito, é que não estou perto de tantas pessoas há muito tempo”, ela se desculpa, despejando Stevia líquida em seu chá preto quente. “É demais.”

Agora que estamos sozinhas (mais ou menos), começo a experimentar o que só pode ser descrita como a leveza de Lily. Não consigo identificar o que é exatamente – sua franqueza, riso fácil ou talvez apenas seu sorriso – mas há uma aura inconfundível de felicidade emanando dela, tornada mais perceptível pelo fato de que é tão raro encontrar esse tipo de alegria e leveza durante um ano tão difícil. Segundos depois de se sentar, ela imediatamente mergulha nas histórias sobre suas aventuras em viagens com seu noivo, o escritor e diretor Charlie McDowell. “É a melhor maneira de criar um senso de aventura”, ela me diz seriamente. “Você está indo de A a B. Você faz parte da natureza. Vamos acampar e estamos no meio das Redwoods ou dirigindo por cidades que nunca teríamos passado antes.” Ela credita a essas viagens e momentos na natureza por mantê-la com os pés no chão, já que tudo o mais no mundo parece tão incerto: “Você está literalmente respirando ar puro. Você não está se sentindo sem criatividade e está fazendo coisas com as mãos, saindo de casa e montando fogueiras, e se sentindo realmente em paz em uma época em que há tanta escuridão.”

Cada vez que o noivo dela aparece durante a nossa entrevista, o rosto de Lily se ilumina. O casal ficou noivo recentemente durante uma de suas viagens rodoviárias acima mencionadas por Santa Fé e Sedona, e embora tenha acontecido depois de apenas um ano e meio de namoro, Lily diz que não ficou surpresa com a rapidez com que aconteceu. “Eu sabia que ele era ‘O escolhido’ desde o início”, diz ela com franqueza. “Todos os meus amigos brincaram comigo no início. Eles ficam tipo, ‘Como você pode saber’ eu fico tipo ‘Eu sei. Eu simplesmente sei.’” Quando o pedido aconteceu – o que ela descreve como “um momento surreal que você simplesmente repete em sua cabeça” – ela disse sim sem hesitar. Ela sorri ao me dizer isso, depois mexe o chá: “Posso apenas dizer isso? Honestamente, estou muito animada para ser uma esposa.” Eu peço a ela para expandir. “Não penso nisso de nenhuma maneira ou forma para ver se sou ou não feminista”, ela esclarece. “Para mim, é mais como, mal posso esperar para estar com essa pessoa, e agora podemos planejar algo que teremos pelo resto de nossas vidas.” Quando ela explica assim, é difícil argumentar. A leveza de Lily – cintila mais forte.

O fato de Lily Collins se tornar um nome familiar em 2020 não tem nada a ver com a pandemia, mas ainda sim tudo a ver. Em outubro, a Netflix lançou um programa doce com direção de Darren Star chamado Emily em Paris, que – caso você tenha sido recentemente expulso da conta Netflix de sua família e de alguma forma não tenha assistido – segue a vida de Emily Cooper, executiva de marketing de beleza excessivamente séria que se muda para Paris em busca de uma nova oportunidade de emprego. O que se segue é uma jornada divertida de autodescoberta, enquanto ela aprende como lidar com o choque da ousadia americana com a sutileza parisiense em todos os aspectos de sua vida, do trabalho ao romance. Fotos copiosas das charmosas ruas de paralelepípedos de Paris, do extravagante Grand Palais e, claro, de um momento cintilante da Torre Eiffel ajudaram a satisfazer o desejo de viajar (ou talvez atiçou a chama) dentro de nós durante um ano em que a maioria das pessoas não conseguiu viajar para exterior. Isso, junto com o guarda-roupa de cores vivas de Emily (boina não irônica incluída), fez de Emily em Paris uma guloseima salpicada de purpurina e redemoinhos de arco-íris que milhões devoraram avidamente 10 meses em um ano que era principalmente sombrio, pesado e cinza. Não é nenhuma surpresa que rapidamente se tornou o programa número um da Netflix globalmente, e foi recentemente confirmado para uma segunda temporada – a postagem de Lily no Instagram anunciando a segunda temporada recebeu mais de 500 mil curtidas em 12 horas. “Foi tão louco”, diz Lily com admiração genuína quando pergunto a ela sobre a recepção do programa. “Para mim, significa apenas: as pessoas precisavam de uma fuga. Eles são capazes de realizar aquele desejo da viagem quando assistem. Eles podem rir e sorrir. E não sei do que preciso agora mais do que nunca, além de sorrir e rir.”

Ela tem um ponto. E embora tanto a série quanto sua personagem Emily tenham sido criticadas, discutidas e analisadas infinitamente, Lily é inflexível que Emily – “básica” como ela pode ser, dane-se o chaveiro da Torre Eiffel – tem poderes por direito próprio. “Emily é a mulher de hoje, que é tão romântica quanto uma garota voltada para o trabalho”, diz Lily. Ela chama Emily de “assumidamente ela mesma” e alguém que encontra paixão em seu trabalho. “Também adoro trabalhar”, afirma. “O fato de que às vezes isso ganha uma má reputação de tipo, oh, você está muito focado no trabalho. Não, acho romantismo no meu trabalho e sou realmente apaixonada, e adoro fazer o que amo fazer.” Na verdade, ela diz que interpretar Emily pode ter sido a melhor coisa que aconteceu a ela antes de passar por uma pandemia, mesmo que ela não tenha percebido na época: “Ela tem um jeito firme e apaixonado de ser, ‘Ok , Eu vou descobrir isso.’ Ela quase que inconscientemente me preparou para o que estava por vir. Você vai ter que girar, você vai ter que fazer as coisas de forma diferente, você vai votar de forma diferente… Acho que ela encheu um banco de otimismo dentro de mim de que eu seria capaz de sacar durante o COVID.”

Se Emily é um girassol – feito em casa, totalmente americano e encantadoramente óbvio – então a personagem mais recente de Lily, Rita Alexander, é uma campânula – britânica, afetada e resistente. Lily se junta a Gary Oldman e Amanda Seyfried no novo filme dirigido por David Fincher, Mank, inspirado na vida de Herman J. Mankiewicz enquanto escrevia Citizen Kane e ambientado em Hollywood de meados de 1900. No filme, Rita é a estóica secretária de Mank e transcritora do roteiro; seu comportamento sério é o completo oposto da flutuabilidade de Emily (assim como o próprio filme, que é filmado em preto e branco granulado). Rita é responsável por manter Mank fora do vagão, encoraja-o quando ele fica frustrado e, finalmente, torna-se uma confidente que o ajuda a completar o monólito, manuscrito vencedor do Oscar.

Atuar ao lado de Gary Oldman, diz Lily, foi um destaque na carreira. “Foi tudo,” ela diz. “Houve tantos momentos em que eu tive que me lembrar que estava em uma cena, porque eu estava sentada lá e pensando, ‘Oh uau,’ absorvendo tudo. Mas quando você está em frente a alguém que esteve no no topo nos últimos 30 anos, realmente eleva você para estar no topo, em qualquer contexto ou seja, em todos os aspectos.” O fato de Lily interpretar Emily e Rita de forma tão convincente é ainda mais impressionante pelo conhecimento de que ela estava voando 11 horas de Paris a Los Angeles todo fim de semana durante as filmagens de Emily em Paris para ensaiar para Mank. Eu pergunto a ela se foi difícil desligar Emily e virar Rita e vice-versa. “Os períodos de tempo são tão diferentes, e o assunto e os temas e o gênero”, ela responde. “Então, para mim, encontrar aquele personagem foi um processo tão diferente do de Emily. Também sair de Paris e voltar para Los Angeles… Era como se eu pudesse deixar Emily lá e depois vir aqui e ficar com Rita.”

Se você conheceu Lily através de Emily em Paris, é fácil presumir que Lily e Emily são semelhantes. Lily é instantaneamente aberta, calorosa e franca, como Emily. Ou talvez, dado o fato de que o pai de Lily é a lenda da música britânica Phil Collins e ela passou a maior parte de sua infância no interior da Inglaterra, você pensaria que Lily é mais como Rita. Até ela me diz: “Eu definitivamente me sinto mais britânica do que americana de várias maneiras. Sou atraída por dramas de época britânicos e escritoras britânicas… Sempre que interpreto uma personagem com sotaque britânico, sinto-me estranhamente conectada a mim mesma de uma maneira diferente.” Mas quanto mais Lily fala, mais você percebe os diferentes lados dela sob seu exterior alegre – as partes mais suaves, as partes denteadas que nunca são tão óbvias quanto uma primeira impressão, mas são o que torna uma pessoa quem elas são. Porque embora eu possa sentir a leveza de Lily emanando em mim na mesa, também há momentos sombrios de seu passado que ela não tem medo de discutir.

Como filha de Collins e sua então esposa Jill Tavelman, Collins cresceu com um certo nível de notoriedade, amplificado ainda mais por sua decisão de se tornar uma atriz. Depois de um papel importante no filme dirigido por Sandra Bullock, The Blind Side, Lily estrelou sucessos de bilheteria para jovens adultos como Mirror, Mirror e The Mortal Instruments: City of Bones. Ela rapidamente subiu para o status de ícone de beleza (suas sobrancelhas – basta olhá-las). Um contrato de beleza com Lancôme logo se seguiu e, sete anos depois, ela ainda atua como embaixadora (durante nosso almoço, ela elogiou a máscara facial Génifique da marca, creditando-a como um produto básico para manter sua pele hidratada durante suas viagens entre Paris e Los Angeles). Mas o exterior brilhante de celofane de Hollywood era um mundo muito diferente do que sua educação bucólica no campo na Inglaterra, e conforme sua fama crescia, também crescia um senso corrosivo de autocrítica. “Eu estava definitivamente tentando ser a versão de mim mesma que eu pensava que as pessoas queriam ver”, ela reflete. “Tive uma qualidade de agradar as pessoas e não me permitia refletir sobre como me sinto, o que quero dizer? Como me sinto confortável sendo eu?” Quanto mais ela se concentrava no que os outros percebiam e queriam, mais difícil era manter de vista quem ela era. “Acho que, por ser tão introspectiva e reflexiva, no passado tendia a olhar tão para dentro que descontava as coisas em mim mesma”, diz ela. “Eu estava em um relacionamento ruim e me senti definitivamente silenciada por aquela pessoa. E não fui incentivada a ganhar mais voz ou usar mais minha voz.” Seu intenso auto-exame se manifestou em um distúrbio alimentar e um período de dolorosa insegurança e dúvidas, que ela documenta em seu livro Unfiltered: No Shame, No Regrets, Just Me. “Minha falta de controle se transformou em: como posso me controlar?” ela diz.

Então, veio uma graça salvadora – um papel que a lembrou de seu propósito superior. To the Bone, um filme da Netflix lançado em 2017, documenta um período crucial na vida de Ellen, uma jovem que luta contra a anorexia. “Quando recebi o roteiro, havia acabado de escrever o capítulo do meu livro sobre minhas experiências com transtornos alimentares”, diz ela. “Então, ter esse roteiro vindo para o meu colo, que refletia o mesmo assunto em um momento da minha vida em que finalmente consegui falar sobre ele, foi um daqueles raros momentos em que sua arte e sua vida moldam em uma experiência – onde você sabe que eles vão ajudar uns aos outros e dizer algo maior do que você pensou que poderia dizer.” Ela relata as muitas mensagens que recebeu dos fãs após o lançamento do filme, agradecendo-a por iluminar a realidade da recuperação do transtorno alimentar e interpretar um personagem tão vulnerável que fez com que tantos deles se sentissem vistos pela primeira vez. Isso marcou um ponto de virada para ela. “Essa experiência – ter meu trabalho se transformando em algo que fazia parte do processo de cura não só para mim, mas para os espectadores – foi realmente poderosa”, ela reflete. “Talvez seja por isso que eu tendia a ser atraída por personagens mais sombrios e introspectivos – eu vejo muita cura através de personagens como esses.”

A cura através da escuridão parece ser um tema abrangente para toda a América na segunda metade de 2020, enquanto recolhemos os pedaços de uma eleição tumultuada, agitação racial e crise econômica provocada por uma pandemia global. De muitas maneiras, a quarentena ampliou coisas que antes podíamos deixar de lado – com menos distrações físicas, somos forçados a enfrentar nossos medos e dúvidas secretas. Lily conta como, no início da pandemia, ela acordava algumas manhãs e chorava o dia todo. “Hoje em dia, temos menos vozes de pessoas fisicamente ao nosso redor, mas mais vozes em nossas próprias cabeças – e isso às vezes é ainda mais difícil”, diz ela. “Você está sentado em seus pensamentos pensando, bem, o que eu faço com tudo isso? Quem são essas pessoas no meu cérebro? Estamos nos encontrando com essa sensação de não ter controle – então, como posso permanecer sã, estável e centrada sem voltar aos meus velhos hábitos?”

Seu segredo, ela revela, é simples: renunciar ao controle. “Eu estava sempre pensando no passado ou preocupada com o futuro, então para mim deixar pra trás sempre foi uma grande coisa”, diz ela. Render-se ao processo é o que a ajudou a emergir de seu período de escuridão, e é um conceito que continua a ajudá-la a navegar na incerteza de 2020. E talvez também explique a leveza de Lily; a alegria desenfreada que ela exala de uma forma que só acontece depois que a pessoa está completamente confortável em estar quieta consigo mesma – alguém que já sentou com sua dor, sentiu seus cantos espinhosos e os libertou. Isso, além de uma mistura de podcasts indutores de dopamina (ela recomenda On Purpose, do ex-monge Jay Shetty, no qual ela foi uma convidada recente, e The Happiness Lab), leitura (ela costuma postar trechos do apropriadamente intitulado The Art of Letting Go em seu Instagram), e terapia, da qual ela é uma forte defensora. “Autoajuda não é egoísta – é amor próprio”, ela diz simplesmente. “Com a terapia, só quero saber mais sobre mim para me tornar uma pessoa melhor, para ser uma amiga, filha, noiva, futura esposa e mãe melhor – todas essas coisas. Não acho que exista muita introspecção. Você tem que fazer o trabalho.”

Sem a necessidade de controle, ela me diz que finalmente foi capaz de entrar em contato com seu verdadeiro eu novamente – “a jovem Lily no interior da Inglaterra” que ansiava por aventura e espontaneidade, que tinha uma voz e não se esquivava de conversas desconfortáveis. Quando eu menciono o movimento Black Lives Matter, ela é rápida em vocalizar a importância de falar enquanto reconhece o privilégio. “Essas conversas com nós mesmos, com nossos amigos ou com nossa família são muito estranhas e difíceis, mas são as que mais promovem a mudança e temos que fazer isso”, diz ela. “Acho que se permitirmos que a vergonha e o constrangimento de não saber o que ‘deveríamos saber’ nos impeça de seguir em frente e aprender mais, estaremos perdendo muito crescimento.” No aspecto aventura, ela descreve seu estado atual como “muito voltado para a experiência” e menos focado nas coisas materiais. “Aprendi muito sobre mim mesma por meio de minhas experiências, ao contrário do que acumulo”, ela diz simplesmente. É parte do motivo pelo qual ela saiu de sua zona de conforto e começou a surfar, treinada por seu noivo, um surfista experiente. Enquanto ela descreve sua primeira experiência de surf, uma metáfora quase perfeita emerge, e talvez seja melhor mantê-la em suas próprias palavras para efeito total:

“Eu não posso dizer a você a última vez que tentei algo novo já adulta, deixando de lado o medo de falhar publicamente. E então foi realmente libertador, essa sensação de liberação física. Você está sentada na prancha de surfe e pensa, ‘Estou realmente fora de controle agora porque a onda e a prancha vão me levar.’ Você não pode prever a onda. Eu literalmente vejo um chegando e fico tipo, ‘Oh, levante-se’. É o ato de deixar ir – a arte de ficar parada no momento, olhando para as ondas, apreciando onde você está. Às vezes, toda uma horda de golfinhos simplesmente passa e está lá e você vai, espere, isso é uma forma de meditação – eu estou aqui. E então, quando você se levanta – se você se levanta – é tão libertador. Você se sente tão forte, porque você pensa, meu núcleo está centrado. Estou equilibrada. É esse equilíbrio legal, emocional e físico de força e entrega quando tudo vem junto em um momento e você está indo, eu me sinto tão orgulhosa de mim mesma… Eu me levantei.”

Na antiga filosofia chinesa, o conceito de yin e yang ilustra como forças aparentemente opostas podem ser complementares – e, em alguns casos, acentuam-se mutuamente à medida que se relacionam. Veja, por exemplo, uma garota americana em Paris e uma secretária britânica em Hollywood; a zona rural de Surrey e as luzes de Sunset Boulevard; dor e conforto; alegria e tristeza; força e suavidade. Todos nós somos feitos de dualidades, mas são as complexidades entre elas que constituem nossas partes mais verdadeiras. Olhe a Lily e você verá alguém entregando seu próximo capítulo com alegria: flutuante, leve e livre.

Fonte: Byrdie

Confira as fotos da sessão fotográfica em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2020 > BYRDIE

byrdie2020-001.jpg byrdie2020-002.jpg byrdie2020-004.jpg




É isso mesmo que você está lendo! Emily In Paris acaba de ser renovada para uma segunda temporada.

A notícia veio hoje através dos perfis do elenco e da própria Netflix, confira o vídeo do anúncio:

A segunda temporada está para começar a produção na primavera, entre março e maio de 2021.

O criador Darren Star ainda não sabe se vai colocar a narrativa do Corona vírus na segunda temporada: “Eu tenho ideias mas acho que é uma grande incógnita sobre o que tem na série e sua história,” Star disse ao The Hollywood Reporter.

Ansiosos pra mais Emily In Paris?







layout desenvolvido por lannie d. - Lily Collins Brasil