Lily Collins é a capa da revista Vogue da França, edição de dezembro de 2022. Confira abaixo as fotos do ensaio acompanhada da entrevista traduzida (do francês no tradutor haha) e de um vídeo já legendado pela nossa equipe.

“Se alguém tivesse me dito, alguns anos atrás, que um dia eu estaria na capa da Vogue France, eu nunca teria acreditado, diz Lily Collins. É um sonho tornado realidade!” Feliz como uma criança diante de um imponente bolo de aniversário, mesclando-se em agradecimento por toda a equipe, Lily Collins não é de esconder da mãe a alegria de posar para a revista que lia, criança, na sala.

Lily Collins em Paris
Então, como adolescente, imaginando-se existindo além da sombra de seu pai, um dos artistas mais famosos da cultura pop, Phil Collins. Desde então, ela se tornou, sem aviso prévio, a estrela de uma série fenomenal, Emily in Paris, cuja terceira parte, exibida na Netflix a partir de 21 de dezembro, deve confirmar sua popularidade. “A primeira temporada aconteceu através do prisma de Emily, antes que a seguinte se aprofunde mais em sua psique, comenta Lily Collins. A terceira temporada, por outro lado, oferece aos outros personagens a oportunidade de desenvolver suas experiências… Tive uma chance louca de estar em uma série que é como uma longa carta de amor a Paris e à cultura francesa. Nesses novos episódios, também fomos filmar em Provença…” Podemos apostar que todos os lugares por onde Emily Cooper passeia com seu (nem tão) perdido na tradução do visual americano logo serão tomados pelos fãs. Desde a segunda temporada, o Grand-Hôtel du Cap-Ferrat registrou recorde de público, palácios parisienses como o Shangri-La estão sobrecarregados com o burburinho. Quando Lily Collins se hospedou na suíte Gustave Eiffel e postou uma lembrança no Instagram, em 2021, as equipes do Shangri-La “perceberam uma série de pedidos para ficar na mesma suíte e assim aproveitar a mesma vista”. Cada roupa usada por Lily Collins na série (e por suas companheiras, como Camille Razat e Philippine Leroy-Beaulieu) é decifrada detalhadamente e depois desejada graças a mecanismos de busca dedicados. Lá podem encontrar looks, mas também candeeiros, papéis de parede, capas de smartphone… Se marcas já consagradas beneficiaram deste entusiasmo, como a Chanel, Louboutin, Valentino ou Kenzo, outras casas mais reservadas estão aproveitando esta promoção inesperada… É o caso da Maison Skorpios, lançada em 2020 por Adriana Abascal, e cujas botas venderam como pão quente depois de serem vistas em Lily Collins. “A série é uma versão ficcional da cidade de Paris ao mesmo tempo em que é uma verdadeira janela para o mundo”, comenta Adriana Abascal. “A possibilidade de obter algumas peças da série permite que o espectador se aproxime do mundo da moda… e, finalmente, faça parte dele. Uma série como essa pode fazer uma marca decolar e mudar seu futuro na indústria do luxo. Esta é uma oportunidade única a ser aproveitada diante da forte concorrência no setor!” O mesmo vale para as músicas que ouvimos ao longo dos episódios.

Veja a cantora Ehla, irmã de Clara Luciani, cujo pop-soul do single “Pas d’ici” já percorreu o mundo graças a Emily em Paris: “Quase um minuto da música foi ao ar durante uma cena bastante crucial. Meus streams passaram de 900.000 reproduções para mais de 2 milhões! Da noite para o dia, os algoritmos se empolgaram, a exposição explodiu. Eu estava recebendo comentários em idiomas que eu nem conhecia! Por uma semana, a música ficou nas paradas do mundo do Shazam. O que me permitiu entrar novamente em playlists de plataforma…” Por que Emily in Paris e não outra série? Porque o showrunner americano Darren Star, a quem já devemos Beverly Hills, Melrose Place, Sex and the City ou o mais recente Uncoupled, sabe como fisgar o espectador. A estrutura narrativa não é sobrecarregada de intrigas complexas, os personagens são extremamente desenhados, mas um je-ne-sais-quoi picante torna o todo irresistível. Através da personagem Emily Cooper, recém-chegada de Chicago para trabalhar em uma agência francesa de marketing de luxo, (re)vivemos o charme parisiense. A capital brilha com mil luzes, demais segundo alguns. Mas ela permanece indiferente, insolente, elegante em todas as circunstâncias. Um cenário ideal para os humores de uma jovem em pleno amor e aprendizado profissional… O suficiente para abocanhar os 10 melhores programas da Netflix. E, face ao investimento, tanto emocional como financeiro, colocado na terceira temporada, que promete corresponder às expectativas, o encanto de Emily em Paris parece não ter terminado a atuação. Inclusive em sua protagonista que se abre, com tanta sinceridade quanto bom humor, sobre sua carreira – conduzida a todo vapor sem deixar de lado sua ética e seu altruísmo. Se ela já havia se destacado em BlancheNeige ou A Exceção à Regra, é com uma ficção na telinha que ela se deu a conhecer mundo afora. E, longe de reivindicar seus amores cinematográficos, ela abraça plenamente a alegria que o formato de série lhe traz. Uma garota chique, Lily!

Voga. Nesta nova temporada, Emily está mais confiante em sua vida parisiense… como você?

Lily Collins. “Com certeza! Hoje, Paris me parece menor porque eu a entendo melhor: com meu marido (roteirista e produtor Charlie McDowell), encontramos nossas marcas, não olhamos mais para o Google Maps para saber para onde vamos, atravessamos a cidade de patinete ou de bicicleta, quase me sinto em casa… Quando criança, morei nos Estados Unidos com minha mãe, mas aprendi francês na escola e ia muitas vezes ver meu pai que morava na Suíça. Minha proximidade com a cultura francófona vem de longa data. Na nova temporada, fico feliz em ouvir Philippine, Camille, Lucas ou Samuel tocar em sua língua materna e em ver que Emily está progredindo – permite-me voltar a praticar!

Apesar de sua aparente leveza, podemos considerar que Emily in Paris destaca o empoderamento feminino?

1000%! A série traz mulheres de diferentes gerações que, se parecem polos opostos, têm muito em comum. Na segunda temporada, Sylvie inicia uma nova aventura profissional, Camille também passa por grandes mudanças… Todas as mulheres de Emily em Paris têm uma palavra a dizer. Desde o primeiro episódio, gostei da atitude da Emily, de como ela se dedica ao trabalho, sem se desculpar por nada. Na entrevista, várias vezes me perguntaram se Emily era mais romântica ou mais workaholic… É estranho: por que ela deveria escolher? Por que somos rotulados de workaholics quando amamos nosso trabalho e por que deveríamos estar desconectados da realidade quando somos românticos? Podemos ser tudo ao mesmo tempo!

Que mulheres famosas você admira?

A primeira pessoa em quem penso é Tilda Swinton. Por sua impressionante carreira de atriz e seu senso de moda, fora dos roteiros mais conhecidos. A Zoë Kravitz, que conheço há muito tempo, é super fixe, a Penélope Cruz é genial e generosa. Mas existem tantas mulheres maravilhosas! Falando com você, tenho um pensamento emocional para Stella Tennant. Quando adolescente, recortei fotos dela de jornais para minha coleção pessoal. Seus cortes de cabelo, seu visual, sua acessibilidade, seja na cidade ou no campo, me inspiraram muito.

Você poderia ter imaginado o fenômeno que se tornaria Emily em Paris?

De jeito nenhum! Mesmo ao ler o roteiro, não senti que algo poderia acontecer… Nós éramos, aliás, várias jovens esperando conseguir esse papel. Tenho uma sorte incrível… Depois de alguns meses, o desligamento forçado após a pandemia de Covid confirmou o aspecto terapêutico da série. Estar confinado em casa, mas ver a paisagem, rir, chorar um pouco: foi o que permitiu Emily em Paris, chegar numa altura em que o público, mas também nós, a equipe, mais precisávamos.

Para estilistas, artistas ou donos de restaurantes, a série foi um trampolim inesperado!

Certamente, tínhamos essa vontade de trabalhar com designers emergentes – mesmo que ainda não estivessem na Vogue! Neste verão, conheci muitos jovens que me explicaram que pensaram no guarda roupa de Emily quando estavam fazendo as malas… É muito interessante que a série tenha se tornado uma plataforma para novos talentos – e não apenas para jovens atores, mas também cafés, restaurantes, padarias… Quando penso que existe um “passeio Emily in Paris” oferecido aos turistas, me belisco para acreditar!

A série é criada pelo proeminente showrunner Darren Star. Gostou de Sex and the City, que também retrata uma cidade, no caso Nova York, por meio de suas intrigas?

Eu era fã. Sex and the City emprega um dos dons de Darren: recriar a magia de uma cidade, torná-la um personagem por si só. Em Emily in Paris, ele consegue essa mistura de romance, tragicômico e onírico, mesmo que nossos pés estejam ancorados no chão. Darren também tem um senso de elenco incrível, reunindo pessoas que se dão bem e, portanto, funcionam bem juntas. Ele está muito presente: aliás, veio ao set hoje, em Chinon… Darren se interessa por tudo e todos, até vestidos! Ele me deixou evoluir no meu caráter, o que me deu muita liberdade, além de me aconselhar quando necessário.

O que você tem em comum com Emily?

Nós duas amamos moda, viagens… e nossos respectivos trabalhos! Não temos medo de confiar em nossos entes queridos, de pedir ajuda. Como Emily, gosto de ver o melhor nas pessoas. Pensar positivamente, encontrar soluções. Sem se privar de reclamar, claro! Por outro lado, nem sempre concordo com suas escolhas sentimentais… Emily é muito próxima de mim, tão próxima que minha abordagem e meu olhar mudaram. Ela é uma personagem com quem aprendi muito, que amo enormemente, tanto que tenho que zelar pelo lugar que a Emily ocupa na minha vida. Saber quando ela vai embora e quando pode voltar para mim, Lily.

Você diz que ama moda. Faz muito tempo?

Desde muito jovem. Na época em que o vintage não era considerado legal, minha mãe se vestia em brechós. Eu, eu estava no meu carrinho enquanto ela pechinchava! Ela sempre me incentivou a me expressar através das roupas, que podem substituir as palavras. Um dia sou uma princesa de conto de fadas, no dia seguinte sou uma garota do rock’n’roll. Uma cor viva, um cinto… tudo pode mudar uma personalidade, uma afirmação, uma atitude. Com os figurinistas de Emily em Paris, nós nos divertimos!

Quando você decidiu ser atriz?

Quando criança, meus pais me contavam histórias para dormir e eu tinha apenas um desejo: fazer a mágica durar. Muito rapidamente, tive vontade de embarcar gente comigo nessa aventura que é a performance. Porque sempre me senti atravessada pelo que é o mundo, sempre me senti atraída pela psicologia e pela sociologia. Como ator, você estuda outros seres humanos, cria um personagem, você o constrói. É emocionante.

É este interesse pelos outros que o levou a evoluir, durante alguns anos, na imprensa?

Sem dúvida! Escrevi para revistas em Los Angeles, Londres… Essa curta experiência me ensinou como é estar do outro lado, ter que improvisar em uma entrevista se uma pergunta não funcionar. Também notei a paixão dos artistas que conheci. Durante esse tempo, eu estava fazendo audições, que deixei de mãos vazias porque me disseram que eu era muito imatura… Não estava completamente errado, eu tinha que aguentar.

Collins é um sobrenome bastante comum nos países anglo-saxões, mas revelar que você era filha de Phil Collins poderia ter ajudado você…

Estava fora de questão que as pessoas pensassem que eu uso um passe certo graças ao meu nome. Tenho orgulho do meu pai, mas queria ser eu, não apenas a filha dele. Para isso, eu estava pronta para esperar para romper. Por meio de castings fracassados, aprendi a me concentrar mais no meu trabalho e consegui fazer da atuação o meu trabalho. Mas não estou descansando sobre os louros: este ambiente é muito competitivo e os lugares são caros!

E a música, isso está excluído?

Eu amo cantar. Mas como queria seguir meu próprio caminho, longe do gênio paterno, preferi ser atriz. Já toquei em alguns musicais porque é o único ambiente em que me permito cantar. Francamente, eu teria muito medo de comparações!”

Fonte: Vogue França

REVISTAS E JORNAIS | SCANS > 2022 > VOGUE FRANCE

LCBR-001.jpg LCBR-004.jpg LCBR-008.jpg

ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2022 > VOGUE FRANCE

LCBR-001.jpg LCBR-002.jpg LCBR-003.jpg

 

 

 




A história selvagem do casal de criptomoedas Ilya “Dutch” Lichtenstein e Heather “Razzlekhan” Morgan está indo para as telas. Hulu está em desenvolvimento inicial na série limitada Razzlekhan: The Infamous Crocodile of Wall Street, da Searchlight Television. Lily Collins (Emily In Paris) deve estrelar como Morgan no projeto, que ela está produzindo com seu marido Charlie McDowell, que deve dirigir, e Alex Orlovsky.

Com base no artigo da revista New York “The Many Lives of Crypto’s Most Notorious Couple”, a série se concentra em Lichtenstein e Morgan, apontados como os mentores de um dos maiores assaltos da história ou um par de aspirantes a empreendedores desafortunados que de alguma forma tropeçaram em um disco rígido contendo US$ 3,6 bilhões em Bitcoin roubados da bolsa Finex.

O título da série, Razzlekhan, vem do alter ego de Morgan como rapper do YouTube.

Descrita como um estudo de personagem, uma história de amor e um thriller de crime contado com humor e honestidade, a série seguirá Heather e Ilya enquanto lutam com seu relacionamento, as pressões de se sentar em criptomoedas roubadas sem uma maneira fácil de torná-las líquidas e suas aspirações no aquário do mundo de tecnologia/mídia de Nova York. A série será contado através dos olhos do casal, bem como de hackers, banqueiros, agentes da lei e amigos.




Nós queremos levar o melhor conteúdo á vocês, nossos seguidores e leitores. Com isso, estamos abrindo vagas para aqueles que desejam fazer parte do fã site brasileiro dedicado a atriz Lily Collins. E se você quer fazer parte da nossa equipe maravilhosa e ainda divulgar e levar notícias para os demais fãs, não perca essa oportunidade!

Os interessados deverão preencher a ficha abaixo e nos enviar em nossa DM no Twitter!

FICHA:

  • Nome:
  • Idade:
  • Twitter:
  • Cidade/Estado:
  • Nível de conhecimento da língua inglesa: (Básico, médio, avançado):
  • Participa de outro fã-site? Se sim, qual e qual área?
  • Porque gostaria de entrar na equipe do LCBR? Porque podemos confiar em você?
  • Qual vaga você está se inscrevendo:

Twitter – Responsável por atualizar nosso Twitter com todas as novidades, notícias e mais.
Newposter – Responsável por atualizar o nosso site com entrevista traduzidas, notícias, vídeos e mais.
Gallery Manager – Responsável por atualizar nossa galeria com todas as fotos.
Legender – Responsável por legendar novos e antigos vídeos.
Tradutor – Responsável por traduzir vídeos , entrevistas para revistas e etc.

Requisitos para Twitter: (duas vagas)
Saber procurar informações;
Nível intermediário em língua portuguesa e inglesa;
Ter tempo livre.

Newsposter: (duas vagas)
 Saber ler/escrever em inglês (nível intermediário);
Conhecimento básico de HTML e uso de WordPress;
Saber editar imagens, para criação de imagens para o post;
OBS: Se você não tiver conhecimento sobre WordPress, iremos lhe ensinar.

Gallery Manager: (duas vagas)
Ter tempo livre para procurar fotos em alta qualidade e screencaps de filmes, photoshoots e mais;
Conhecimento básico de Coppermine e FTP.
OBS: Se você não tiver conhecimento com  Coppermine e/ou upload via FTP, iremos lhe ensinar.

Requisitos para Legender: (duas vagas)
Conhecimento em editor de vídeo;
Nível intermediário em língua portuguesa e inglesa;
Ter tempo livre para legendar.

Requisitos para Tradutor: (duas vagas)
Nível intermediário em língua portuguesa e inglesa;
Ter tempo livre para traduzir.

Nós precisamos de pessoas que admire, aprecie e acompanhe a Lily. E o mais importante, que tenha tempo livre e realmente esteja disposto a ajudar a trazer o melhor conteúdo da mesma!

É necessário recordar que o ajudar no site é um trabalho voluntário, portanto, não haverá remuneração e que o site é focado na divulgação do trabalho da Lily e suporte a mesma.

Não há uma data final para se inscrever, conforme formos gostando dos inscritos, iremos entrando em contato e atualizando o post, então é importante que vocês fiquem atentos em nossas redes sociais.







layout desenvolvido por lannie d. - Lily Collins Brasil